Cartórios serão levados para prédio na Brigadeiro

A reforma interna do Palácio da Justiça é apenas parte do projeto da direção do Tribunal de Justiça de São Paulo para resgatar os tempos áureos de sua sede.

Bruno Tavares, O Estado de S.Paulo

28 Dezembro 2010 | 00h00

Desde o início deste ano, os cartórios da segunda instância que há décadas funcionam no prédio estão sendo transferidos para outros imóveis da Corte na região central de São Paulo. A meta é reduzir ao máximo a circulação de pessoas no palácio e, assim, brecar o processo de deterioração do palácio.

Atualmente, cerca de 5 mil pessoas transitam por dia pela sede do TJ paulista. "É um número muito elevado para um prédio histórico de tamanha importância para a cidade", assinala o juiz José Maria Câmara Júnior, assessor da presidência e responsável pela administração dos imóveis da Corte.

Remanejamento. Dos 27 cartórios instalados no palácio, seis já foram remanejados, levando consigo 160 funcionários que neles trabalhavam. Os outros 21 cartórios devem ser removidos para um novo prédio do TJ-SP na Avenida Brigadeiro Luís Antônio, centro, ainda no primeiro semestre de 2011. Com a mudança, estima-se que mais 250 servidores devam deixar de circular no palácio, isso sem contar o público em geral - advogados, estagiários, réus etc.

"Durante muitos anos, o palácio teve um uso indevido, quase predatório", afirma Câmara Júnior. "Queremos que esse prédio fique "vazio" e passe a abrigar apenas as câmaras de julgamento e os órgãos de cúpula."

PARA LEMBRAR

A primeira reforma do Palácio da Justiça começou em 2007 e levou dois anos para ser concluída. Ao custo de R$ 5 milhões, a obra recuperou toda a fachada externa do prédio projetado pelo arquiteto Ramos de Azevedo. O restauro incluiu desde as delicadas esculturas que simbolizam ícones da Justiça até a cobertura de cobre do salão do júri. Após a minuciosa reforma, o Departamento de Iluminação Pública (Ilume) presenteou o tribunal com uma nova iluminação. Quase 500 projetores foram instalados em diferentes pontos do prédio para realçar suas linhas arquitetônicas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.