Reprodução/Google Street View
Reprodução/Google Street View

Carro invade borracharia, atropela e mata criança na zona sul de SP

Acidente aconteceu na madrugada desta segunda-feira na Rua Zike Tuma, no Jardim Ubirajara; motorista fugiu sem prestar socorro

Redação, O Estado de S.Paulo

13 de janeiro de 2020 | 04h58
Atualizado 13 de janeiro de 2020 | 19h29

SÃO PAULO - Um menino de 4 anos foi atropelado e morto por um carro desgovernado na madrugada desta segunda-feira, 12. De acordo com a Polícia Militar, a criança foi atingida dentro de uma borracharia, na Rua Zike Tuma, no Jardim Ubirajara, zona sul da capital paulista. O garoto, que não teve identidade revelada, morreu no local.

Segundo a polícia, o motorista que dirigia o automóvel deixou o lugar sem prestar socorro. De acordo com o Corpo de Bombeiros, quatro viaturas foram deslocadas para o local do acidente após serem acionadas por volta da 1h20. Quando a primeira chegou foi constatado o óbito do garoto. Não há informações sobre outras vítimas.

Em nota, a Secretaria da Segurança Pública disse que o caso é investigado pelo 80.º Distrito Policial (Vila Joaniza). "Policiais da unidade realizam diligências para localizar e prender o autor do atropelamento", informou a pasta.

Motorista que foge do local do acidente comete crime, diz STF

Em novembro de 2018, o Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu, por sete votos a quatro, que é crime a fuga de motorista do local de um acidente de trânsito. Para a maioria dos ministros, a punição para quem deixa o local do acidente não viola a garantia do cidadão de não ser obrigado a produzir prova contra si mesmo.

Com a decisão, a Corte validou artigo do Código de Trânsito Brasileiro (CTB) que prevê a detenção de seis meses a um ano ao condutor que se afasta da área do acidente. A punição é cabível independentemente de haver vítimas ou não. 

Tudo o que sabemos sobre:
São Paulo [cidade SP]atropelamento

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.