Carro de advogada é encontrado em represa do interior

Honda Fit estava com janelas e portas fechadas, a seis metros de profundidade; corpo achado na zona sul de SP pode ser da moça

Josmar Jozino, O Estado de S.Paulo

11 de junho de 2010 | 00h00

A Polícia Civil encontrou ontem o carro da advogada Mércia Mikie Nakashima, de 28 anos, desaparecida desde o último dia 23 em Guarulhos, na Grande São Paulo. O Honda Fit estava submerso no Reservatório de Atibainha, que integra o Complexo Cantareira, em Nazaré Paulista, no interior. O celular dela e um edredom estavam no veículo.

O reservatório fica no bairro Cuiabá, no km 51 da SP-36, a Rodovia Juvenal Ponciano de Camargo. A estrada liga os municípios de Guarulhos, na Grande São Paulo, e Nazaré Paulista. As buscas começaram por volta das 11h, depois de o pai de Mércia, Macoto Nakashima, receber uma denúncia de que testemunhas viram um automóvel ser jogado na represa.

Segundo a Polícia Militar, o carro estava com as janelas e portas fechadas e a seis metros de profundidade. Quatro bombeiros mergulhadores, uma lancha e duas viaturas foram para o local. Nenhum corpo foi encontrado no Honda Fit.

As buscas foram encerradas por volta das 18h de ontem e vão ser retomadas na manhã de hoje. No início da noite, a polícia recebeu a informação de que haveria um corpo de uma mulher perto da represa onde o carro de Mércia foi localizado. Uma vistoria na região foi realizada, mas nada foi encontrado.

Zona sul

A polícia também vai investigar se o corpo de uma mulher encontrado ontem na zona sul da capital é da advogada. O cadáver, completamente carbonizado, é de uma pessoa do sexo feminino, com cerca de 1,60 metro de altura, e estava no cruzamento da Avenida Professor Abrahão de Morais com a Rodovia dos Imigrantes, sob o Viaduto Mateus Torloni.

Trabalhadores da Sabesp passavam pela rodovia às 8h45 de ontem quando viram o cadáver. Policiais militares do 3.º Batalhão foram chamados e disseram que o rosto tinha sinais de esmagamento e estava coberto por pedras. O estado do corpo, enrolado em papéis, pode indicar, segundo a polícia, tentativa de dificultar o reconhecimento da vítima.

"Está tão desfigurado que até o exame da arcada dentária pode ser prejudicado", afirmou o major Luiz Carlos, assessor do deputado Conte Lopes (PTB), que tem ajudado a família de Mércia nas investigações sobre o paradeiro da moça. Segundo ele, Mércia também tem aproximadamente 1,60 m de altura.

O principal suspeito pelo desaparecimento de Mércia, segundo a polícia, é o ex-namorado dela, o advogado e PM aposentado Mizael Bispo dos Santos, de 40 anos. Um dia depois do sumiço da moça, a família dela procurou o 6.º DP de Guarulhos para prestar queixa.

No dia seguinte, Márcio, irmão de Mércia, voltou à delegacia para dar mais detalhes sobre a rotina da irmã aos policiais, mas foi informado que o expediente - que termina às 19h - estava para se encerrar. Os familiares ficaram insatisfeitos com o atendimento no DP.

Márcio decidiu procurar o gabinete parlamentar. O major Luiz Carlos foi pessoalmente com o irmão de Mércia ao DHPP e conversou com o delegado Antonio D"Olim. O departamento assumiu a investigação do desaparecimento da advogada.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.