Robson Fernandjes/AE - 22/12/2010
Robson Fernandjes/AE - 22/12/2010

Carro compartilhado já tem 300 adeptos em SP

Comum em outros países, serviço custa R$ 8,90 por hora, mais R$ 0,53 por quilômetro rodado. Usuários ainda têm de assinar plano mensal ou anual

Felipe Oda / JORNAL DA TARDE, O Estado de S.Paulo

31 Janeiro 2011 | 00h00

A analista Suelen Cristina Cancino, de 25 anos, e o administrador de empresas Ricardo Salvagni, de 53, não se conhecem, mas dividem o mesmo carro. Eles estão entre os 300 paulistanos que usam um dos 13 automóveis compartilhados disponíveis em São Paulo. Comum na Europa e nos Estados Unidos, o car sharing (carro compartilhado, em inglês) acaba de chegar à capital. A ideia não é abandonar o automóvel, mas usá-lo só quando necessário.

O carro compartilhado é uma mistura de táxi e carro de aluguel. O interessado faz um cadastro na empresa (por enquanto, só há uma na cidade), assina uma mensalidade, recebe um cartão e já pode usar os veículos - basta reservá-los por telefone ou internet.

Os modelos disponíveis variam do Smart ao Civic e estão em estacionamentos 24 horas de Pinheiros, Moema, Vilas Olímpia e Mariana, Consolação e Liberdade. Além da assinatura obrigatória, o usuário paga o valor correspondente ao aluguel do carro, cobrado por hora, e a quilometragem rodada. Preços variam conforme o modelo escolhido e o combustível fica por conta da empresa, ao contrário de quando se aluga um veículo.

Entre os benefícios, Suelen cita o lado financeiro. "O custo é muito alto para manter um veículo próprio." Moradora de Taubaté, no interior, a analista passa a semana na capital. "Costumava alugar, mas o preço e a facilidade de compartilhar me atraíram."

Sem precisar pagar estacionamento, seguro e combustível, Salvagni vendeu o carro e passou a usar os compartilhados - que têm despesas de franquia em caso de acidentes, nos moldes do que já ocorre no aluguel de veículos. "Tinha dois carros e hoje tenho um que fica à disposição da minha mulher. Evito gastos e uso só o período necessário."

A Zazcar é a única empresa que oferece o serviço na América Latina. Para usar um dos 13 veículos compartilhados, o usuário precisa assinar um plano, mensal ou anual, com valores entre R$ 15 e R$ 45 - o preço dependerá de quantas vezes o carro for usado. Não é possível retirá-lo em um ponto e devolvê-lo em outro - uma desvantagem citada pelos adeptos do serviço.

Ao se cadastrar, o cliente recebe um cartão para destravar o veículo. O serviço funciona com reserva, por telefone ou internet. Caso o motorista atrase a devolução, será multado em R$ 12,50 a cada 15 minutos de atraso, mais a hora excedente do veículo. O valor é alto, comparado ao preço normal do serviço: é possível pagar R$ 8,90 por hora, mais R$ 0,53 por quilômetro rodado.

Ao entrar no carro, o usuário retira as chaves no porta-luvas e preenche formulário com as condições do veículo - o carro só liga após o preenchimento. Sujeira interna, problemas mecânicos e amassados na lataria devem ser reportados ao computador de bordo, para que a empresa acione o responsável. Já o combustível fica por conta da empresa - no carro há um cartão para abastecer na rede conveniada.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.