Carro com material radioativo é roubado

Um carro pertencente a uma empresa de manutenção industrial e que transportava um produto radioativo foi roubado na madrugada de ontem em Duque de Caxias, na Baixada Fluminense. Homens armados dominaram dois funcionários da companhia e levaram o veículo. O crime foi na Rodovia Washington Luís, perto do acesso à Linha Vermelha.

ANTONIO PITA / RIO, O Estado de S.Paulo

30 Abril 2012 | 03h01

O carro continha um irradiador com o elemento Selênio 75, utilizado em radiografias para soldas industriais. A polícia suspeita que os criminosos não sabiam da presença da carga radioativa. O equipamento estava em uma caixa metálica presa com cadeado no porta-malas.

De acordo com a Polícia Civil, o roubo do veículo aconteceu por volta da meia-noite de ontem. Os funcionários relataram que foram surpreendidos por três homens armados que bloquearam a via e os tiraram do carro. Os criminosos levaram dinheiro e objetos pessoais.

Perigo. Considerado de alto risco para a saúde, o selênio é utilizado na indústria para produzir radiografias de inspeção em equipamentos. O contato com a pele pode causar queimaduras e, em caso de exposição intensa e prolongada, até a amputação de algum membro. A irradiação também consegue penetrar a pele e atingir as células, podendo levar à morte.

Apesar do perigo, a empresa Arctest Serviços de Manutenção e Inspeção Industrial, responsável pelo veículo, minimizou os riscos de irradiação do material. Segundo Mário de Boita, supervisor de proteção radiológica da empresa, o carro tinha adesivos e placas sobre o material radioativo e advertências sobre os riscos de contaminação em caso de vazamento.

"A gente calcula que o risco é muito pequeno. Qualquer pessoa que sabe ler vai entender a situação. E, se tentar abrir a caixa metálica, precisará de ferramentas especiais para serrar o aço", afirmou Boita.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.