Evi Bianco/Brazil Photo Press
Evi Bianco/Brazil Photo Press

Carreta bate em lojas e interdita avenida na zona sul de São Paulo

Veículo superdimensionado de 565 toneladas e 104 metros bloqueou totalmente a Avenida Cupecê, no sentido Diadema

Maria Eduarda Chagas, O Estado de S. Paulo

26 de maio de 2015 | 07h37

Atualizado às 19h49

SÃO PAULO - Uma carreta superdimensionada bateu em duas lojas na Avenida Cupecê, na zona sul de São Paulo, na madrugada desta terça-feira, 26, e interditou totalmente a via no sentido de Diadema, na Grande São Paulo, na altura da Avenida Garcia de Ávila. Os estabelecimentos atingidos foram interditados pela Defesa Civil. Ninguém ficou ferido. Até as 19h40 desta terça, a via continuava obstruída. A previsão é de que a carreta seja retirada na madrugada de quarta-feira. 

Segundo a Companhia de Engenharia de Tráfego (CET), o veículo, que pesa 565 toneladas e tem 104 metros de comprimento, transportava um transformador e era monitorado pela CET em seu trajeto pela cidade. O acidente aconteceu porque uma peça que conectava as partes da carreta quebrou. O veículo atingiu os imóveis por volta de 4h, na altura do número 5.750 da avenida, região do Jardim Miriam.

A CET implementou uma faixa reversível no local para a passagem de ônibus e caminhões entre as Avenidas Garcia de Ávila e Assembleia. 

A companhia recomendou dois desvios: no sentido de Diadema, o motorista deve entrar à esquerda na Garcia de Ávila, à direita na Assembleia para retornar à Cupecê; já em direção à região central da capital paulista, deve entrar à direita na Avenida Ângelo Cristianini, à esquerda na Rua Alcides Arguedas, à esquerda na Rua Capitão John Cordeiro e Silva, à esquerda na Avenida Senador Vitorino Freire para voltar à Cupecê.

Em nota, a CET afirmou que "operacionaliza o trânsito, estabelece desvios e oferece apoio para dar agilidade ao deslocamento de recursos necessários para retirada de carretas da via em caso de intercorrências e acidentes". 

"É de responsabilidade da empresa transportadora oferecer a estrutura exigida, como equipamentos, peças e acessórios, para o deslocamento do veículo que ocupa a via, bem como estimar prazo necessário para a conclusão dessa operação", explicou.

Procurada pelo Estado, a Cruz de Malta, transportadora responsável pela carreta, lamentou o fato ocorrido e informou que tomou todas as medidas cabíveis para a solução do problema. 

A carreta atingiu um poste da AES Eletropaulo e deixou 30 casas sem energia elétrica. A assessoria de imprensa da concessionária informou que aguarda a remoção do veículo para trocar o poste e iniciar os reparos.

Tudo o que sabemos sobre:
São PauloTrânsito

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.