Carolina Dieckmann vai processar Google contra fotos na web

Advogado notificou site para evitar divulgação das imagens da atriz nua, mas a empresa não atendeu ao pedido

ANTONIO PITA / RIO, O Estado de S.Paulo

09 de maio de 2012 | 03h03

Sem conseguir evitar a divulgação de fotos em que aparece nua, a atriz Carolina Dieckmann decidiu ingressar na Justiça contra o maior portal de pesquisa na internet, o Google. Segundo o advogado Antonio Carlos de Almeida Castro, é preparada ação para impedir que as 36 imagens, publicadas na sexta-feira, possam ser acessadas no sistema de buscas. O prazo final para que as imagens fossem retiradas do ar expirou na noite de ontem.

"Acho inadmissível que um site do porte do Google não faça a mesma reflexão que outros sites fizeram no sentido de preservar a atriz", afirmou Castro. Segundo ele, a ação vai pedir uma multa diária caso o buscador não retire os links para as fotos. O valor ainda não foi definido.

De acordo com Castro, o Departamento Jurídico do Google informou que a tradição da empresa é aguardar uma decisão judicial. Castro buscava solução negociada, e notificou o site no sábado. Procurada, a Assessoria de Imprensa do Google informou que não comenta casos específicos.

Revelações. Ontem, Castro confirmou que Carolina pediu orientação ao ex-integrante do Batalhão de Operações Especiais (Bope) Rodrigo Pimentel. Ao receber as primeiras tentativas de extorsão, o empresário da atriz, o jornalista Alex Lerner, o procurou.

"Ele me ligou no dia 27 de março e falou sobre a extorsão. Orientei que procurasse qualquer delegacia. Sem a formalização, eles não conseguiriam autorização para rastrear e-mails e ligações", explicou Pimentel.

Segundo ele, o empresário chegou a receber duas imagens da atriz para comprovar a posse das fotos. Pimentel orientou a atriz a não pagar pelas fotos e indicou um policial para acompanhar o caso.

"O policial vislumbrou a possibilidade do flagrante, mas o contato parou. O empresário me disse que as chantagens haviam parado e que ele não levaria adiante a denúncia com medo da exposição", afirmou.

Castro negou que as chantagens tenham começado em março e disse que as ameaças começaram há duas semanas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.