Carnaval genérico

Tudo bem que o morador do Leblon e adjacências - ô, raça! - esteja à beira de um ataque de nervos com a proliferação de blocos no Rio. Não é fácil viver de frente para uma multidão barulhenta e doida pra fazer xixi, mas daí a reclamar da "baianização do carnaval carioca", francamente, é muito preconceito, né não?

Tutty Vasques, O Estado de S.Paulo

01 Março 2011 | 00h00

Feita a ressalva politicamente correta, é bom que a turma lá de Salvador, em vez de se ofender com a comparação infeliz, abra o olho para o que está acontecendo com o carnaval do concorrente direto. Ou, não demora muito, vai faltar trio elétrico na Bahia para animar a festa. No último fim de semana, eles arrastaram - do Leme ao Pontal - meio milhão de foliões cariocas.

Teve gente que se trancou em casa com saudade do tempo em que, longe da Marquês de Sapucaí, o Rio de Janeiro, fevereiro e março era uma cidade maravilhosa pra quem não gosta de samba no pé. A melhor época do ano para se ir à praia, ao cinema, ao restaurante ou ao Corcovado, sem precisar meter o cotovelo para abrir caminho.

Agora, com um "carnaval de rua" comparável ao de Salvador, o lugar tranquilo mais próximo do carioca durante o reinado de Momo deve ser São Paulo - tomara que ninguém fique chateado com isso.

Prova de fogo

"FOI MAIS DIFÍCIL FAZER ESTE OMELETE DO QUE APROVAR O SALÁRIO MÍNIMO DE R$ 545 NO CONGRESSO!"

Dilma Rousseff, em off, despedindo-se de Ana Maria Braga nos estúdios da Globo

Ti-ti-ti socialista

Luiza Erundina já avisou ao PSB:

"Ou eu ou o Kassab!" Preconceito bobo, né não? Só porque ele é solteiro, caramba?

Mal comparando

Se você não anda lá muito satisfeito consigo mesmo, calma: o Ronaldinho Gaúcho também não está jogando nada e, no entanto, é campeão.

Peralá!

O brasileiro precisa parar com essa mania de levar tudo para o lado pessoal. Tem gente por aí achando que o Congresso escalou Tiririca titular da Comissão de Educação e Cultura da Câmara dos Deputados só para gozar da nossa cara. Também não é assim, né?

Discurso de quem?

Só para que ninguém faça confusão, O Discurso do Rei não é o filme do Lula. O rei em questão não tem língua presa, é gago! E não se fala mais nisso, OK?

No escuro

De todos os cortes promovidos neste ano pelo governo, o maior é o de luz: o Brasil tornou-se em 2011 líder mundial em apagões.

Só o que faltava!

A Justiça bateu o martelo: Alexandre Pato vai ter de pagar pensão de R$ 50 mil por mês durante dois anos para a atriz Sthefany Brito, ex-mulher do atacante, que alega ter abandonado as novelas da Globo para viver com o atacante do Milan na Itália, coitada! É mais um duro golpe nas comemorações pelo Dia Internacional da Mulher.

Modalidade olímpica

Muamar Kadafi já ensaia o "salto Trípoli" para a sua fuga da Líbia.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.