Nilton Fukuda/Estadão
Nilton Fukuda/Estadão

Carnaval ‘fitness’ tem de aulões com escola de samba a bloco de rua em SP

Academias e escolas de dança apostam em atividades que misturam exercício e ritmos do carnaval

Priscila Mengue, O Estado de S.Paulo

07 de fevereiro de 2020 | 15h40

SÃO PAULO - Uma mulher de maiô brilhante e adereços na cabeça samba ao lado de um rapaz de chapéu, sapato branco e colete igualmente glitterizado. Tudo acompanhado do soar de dois surdos, um ganzá, uma caixa, um repique e um tamborim. A cena mais lembra um ensaio de pré-carnaval, mas vem se repetindo quase diariamente em unidades paulistas de uma rede de academias, que firmou parceria com uma escola de samba para realizar “aulões”.

Se a relação da atividade física com o carnaval é consolidada entre integrantes de agremiações e celebridades, essa aproximação também está ganhando espaço entre aqueles que têm uma relação menos devota com a folia. Isso ocorre especialmente por meio de aulões de ritmos típicos dessa época do ano em escolas e academias de dança, mas também está representado na programação oficial do carnaval da cidade.

É o caso da Academia Atitude Fitness, que costumava fazer aulas temáticas em fevereiro, mas decidiu ir um pouco além e fundou um bloco de carnaval há três anos. O Bloco Atitude desfila ao som de marchinhas e sambas-enredo populares no distrito do Ipiranga, na zona sul, acompanhado de ritmistas do Acadêmicos do Parque Bristol.

“Antes o bloco se chamava Marombeiros de Atitude, mas trocou. Marombeiro, marombeiro, não ia quase ninguém, um ou outro era mais forte. A maioria é mais magrinho mesmo, até porque a maioria do público da academia tem mais de 40 anos”, conta Edison Moreno, de 38 anos, idealizador do bloco e proprietário da Atitude. “Mas a ideia é atingir as pessoas do bairro, não só público de academia.”

A expectativa é que o bloco reúna de 200 a 250 pessoas, com a realização de uma aula de fit dance durante o desfile. Um dos pontos altos deve ser o momento em que os músicos tocam a marchinha da agremiação, cuja letra começa assim: “Vai começar a diversão/ Espero que esteja aquecido/ Vamos fazer musculação/ E não quero ver ninguém dolorido/ Se joga no nosso bloco.”

A rede de academias Bio Ritmo também mantém uma parceria carnavalesca, no caso para 27 aulões temáticos com passistas e ritmistas da Rosas de Ouro. As coreografias e a música são elaboradas especialmente para a atividade, que ocorre em unidades diferente em datas de janeiro e fevereiro. 

A primeira metade da aula é exclusiva de samba instrumental, enquanto a outra é de axé e sambas-enredo cantados por um puxador da escola, com direito a trenzinho, ciranda e quadrilha. Na aula que o Estado visitou, o local era decorado com máscaras, sombrinhas de frevo e outros ornamentos, além de ter luzes coloridas. 

Três professores ensinam os passos, acompanhados de passistas, a alunos que vestiam abadás da academia sobre leggings, tops e outros trajes esportivos. Mais de 30 mulheres e outros três homens dançavam, enquanto eram fotografados e espiados por colegas curiosos. “Nossa, essa sala vai ficar pequena. Vou entrar só para filmar”, disse uma mulher, que acabou permanecendo em parte da aula. No começo, alguns sambavam com o celular na mão.

O professor de Educação Física Erich Soares, de 32 anos, explica que o aulão é uma forma “divertida” de fazer exercício físico. A atividade dura 45 minutos e pode queimar até 700 calorias de uma vez.

A maioria dos participantes usava tênis de corrida, mas a professora de inglês Adriene Zigaid, de 48 anos, preferiu uma sandália glitterizada e com salto de uns 9 centímetros. “Nunca vim de salto na academia antes, vim porque é uma aula especial, uma brincadeira, um divertimento”, comenta. 

A designer de sobrancelhas Celma Soares, de 34 anos, aproveitou a atividade para fazer selfies e, também, aprendeu alguns passos para aproveitar os blocos de rua. “Carnaval agora é o mês inteiro”, diz. Já o comprador Thales Mora, de 32 anos, era um dos três únicos homens da aula. “Acho que tem pouco por vergonha e preconceito. Muitos morrem de vontade.”

Aulões de carnaval têm espaço também em escolas de dança

Escolas de dança também têm investido em atividades temáticas, mesmo aquelas que não têm relação com ritmos carnavalescos, como a Pé Descalço, que é especializada em forró. “A ideia é sempre incentivar a dança e o movimento no geral. Através da dança a gente pode gerar mais saúde, e também trazer um pouco dessa alegria”, explica Amanda Mota, de 34 anos, uma das sócias do espaço.

Ela explica que a escola já havia realizado uma aula de samba e um evento temático no carnaval passado e que, com a procura, a programação de 2020 inclui mais dois eventos. Até o baile mensal muda de cara, com direito a concurso de fantasias. Nas aulas especiais, por sua vez, o foco é ensinar coreografias de hits que costumam fazer sucesso nessa época, especialmente axé e funk.

“Às vezes, (durante o carnaval) as músicas tocam e as pessoas não sabem muito o que fazer. Algumas pessoas não têm tanta facilidade, (a aula) ajuda a ganhar um pouquinho de coordenação”, explica Amanda. “Também ajuda a socializar, a pessoa perde a vergonha de samba, até por ser um ambiente de escola, todo mundo quer aprender e entende que ninguém dança desde que nasceu.”

Confira aulões e desfiles para ter um carnaval fitness em São Paulo:

Aulão de ritmos ‘em clima de Carnaval’, na Escola Pé Descalço

Data: 8 de fevereiro (sábado)

Horário: das 14h30 às 15h30 

Endereço: Avenida Brigadeiro Faria Lima, 760 - distrito Pinheiros

Custo: R$ 10

Mais informações: pedescalco.com.br


Desfile do Bloco Atitude

Data: 15 de fevereiro (sábado)

Horário: das 13 às 18h horas

Endereço: saída da Rua Gaspar Fernandes, 274 - distrito Ipiranga

Mais informações: academiatitude.com


Bio Samba Show (exclusivo para alunos e acompanhantes)

Datas: até 18 de fevereiro

Endereço: unidades variadas na capital e na região metropolitana de São Paulo

Mais informações: bioritmo.com.br

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.