Carnaval de Rua de São Paulo vai ter mais de um mês de duração

Decreto foi publicado nesta quinta-feira no Diário Oficial; segundo Secretaria Municipal de Saúde, hospitais vão funcionar normalmente, e as 140 ambulâncias do município atenderão emergências

Bárbara Ferreira Santos , O Estado de S.Paulo

06 Fevereiro 2014 | 19h32

O Carnaval de Rua de São Paulo vai ter mais de um mês de duração, segundo decreto da Prefeitura publicado no Diário Oficial da Cidade nesta quinta-feira, 6. O texto prevê que a folia dure entre "quatro semanas antes do feriado e duas semanas depois". As comemorações de rua na cidade começaram nesta semana e podem ir até o dia 22 de março. O carnaval será comemorado oficialmente em 4 de março.

Como antecipado pelo Estado na terça-feira, 4, o decreto prevê a proibição de abadás e cordas no Carnaval de Rua de São Paulo. Segundo o coordenador do Plano de Apoio ao Carnaval de Rua da Cidade de São Paulo, José Mauro Gnaspini, a intenção é tornar a folia "democrática e livre". "Queremos fazer um carnaval espontâneo, popular. Isso não significa ser amador, mas profissionalizar a festa sem precisar fechá-la", disse Gnaspini ao Estado na terça.

O decreto também determina a função de cada uma das secretarias envolvidas no projeto, entre elas as de Cultura, Saúde, Serviços, Transportes e de Governo, além da Coordenação das Subprefeituras, da SPTuris e da São Paulo Negócios.

Inscrições. O cadastro dos blocos de rua na Prefeitura deve ser feito até sexta-feira, por meio do site www.carnavalderuadesaopaulo.com.br. Para os blocos que sairão na própria sexta, as inscrições devem ser feitas até o dia anterior.

Até esta quinta-feira, mais de cem blocos já haviam feito a inscrição. O número é muito superior ao de 2013, quando havia de 50 a 60 blocos, segundo cálculo da SPTuris, que organizou o carnaval de rua até o ano passado. Agora a Secretaria Municipal de Cultura coordena o planejamento.

Quem não fizer a inscrição no prazo terá de procurar tanto a subprefeitura da área onde o bloco deve circular quanto a CET para obter autorização. A CET informou que pode propor aos organizadores alterações de horário ou local para garantir o menor transtorno possível ao trânsito. O órgão pode acionar a Polícia Militar no caso de blocos que não tiverem autorização prévia e obstruírem vias.

Ambulâncias. Segundo a Secretaria Municipal de Saúde, os hospitais municipais funcionarão normalmente durante o Carnaval de Rua. De acordo com a pasta, as cerca de 140 ambulâncias do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (SAMU) também vão operar normalmente. Já no Sambódromo do Anhembi, na zona norte da capital, nos dias de desfiles ficarão disponíveis seis ambulâncias e duas motocicletas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.