Cariocas encaram 4h de fila para doar sangue

O Instituto Estadual de Hematologia do Rio de Janeiro (Hemorio), que distribui sangue para hospitais de emergência, bateu ontem seu recorde histórico de doações de sangue, que já havia sido registrado um dia antes.

Roberta Pennafort / RIO, O Estado de S.Paulo

15 Janeiro 2011 | 00h00

Mais de mil pessoas de todas as idades enfrentaram até quatro horas de fila para ajudar os sobreviventes da tragédia na região serrana do Rio.

Antes das 7 horas, já havia gente aguardando na porta. O resultado: mais de 600 bolsas de sangue coletadas (nem todos estavam aptos a doar), a serem distribuídas nos próximos dias.

O ministro da Saúde, Alexandre Padilha, foi um dos que doaram sangue logo pela manhã. Ele fez ainda uma convocação pelo Twitter. O jogador Dejan Petkovic também apareceu por lá.

O Hemorio pede a colaboração de doadores desde quarta-feira. Anteontem, mais de mil pessoas compareceram. Para dar conta do serviço, funcionários trabalharam até as 23 horas, muito além do expediente normal, que se encerra às 18 horas.

Hoje, o funcionamento será das 7 às 18 horas. Para doar, é necessário ter entre 18 e 65 anos, mais de 50 quilos, estar bem de saúde e levar documento oficial com foto. Não é necessário fazer jejum. O endereço é Rua Frei Caneca, 8, centro. Há outros postos. Informações pelo telefone 0800-282-0708.

Doações. Pessoas de todo o Estado do Rio e de outras regiões do País também estão enviando doações para a região afetada - são necessários desde sapatos, roupas e colchonetes até água, alimentos, material de limpeza e roupas de cama.

Bancos, seguradoras, empresas e particulares estão concentrando doações (veja no quadro). No Vale do Paraíba, o CenterVale Shopping, de São José dos Campos, e o Taubaté Shopping recebem donativos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.