REPRODUÇÃO
REPRODUÇÃO

Cárcere duro feminino foi resposta à estratégia do PCC para desmoralizar Estado

Administração dos presídios diz que facção decidiu usar mulheres para articular ações dentro e fora das cadeia

Felipe Resk e Marcelo Godoy, O Estado de S. Paulo

22 de janeiro de 2017 | 05h00

SÃO PAULO - O uso de mulheres pelo Primeiro Comando da Capital (PCC) para articular ações do crime organizado dentro e fora das cadeias foi a razão que levou a administração penitenciária a criar uma ala específica feminina no presídio de Presidente Bernardes. “O PCC dizia que mulher não ia para o RDD. Nós acabamos com isso”, disse o secretário da Administração Penitenciária, Lourival Gomes.

A primeira presa a ser enviada para o cárcere duro foi Cândida Márcia Santa Bispo, a “Gorda”, de 42 anos. Presa por fazer parte da facção, Márcia organizou a chamada Festa do 15 em comemoração do aniversário do PCC, no pavilhão 3 da Penitenciária Feminina de Sant’Anna, no Carandiru, na zona norte de São Paulo, em 2015.

O evento foi filmado pelas presas, que consumiam cocaína e fumavam maconha enquanto dividiam um bolo feito para a festa de 22 anos da facção criminosa. “Isso foi uma ação para tentar desmoralizar o Estado”, afirmou Gomes. O diretor de segurança da unidade foi exonerado após o episódio.

Márcia foi presa por participar da quadrilha que cavou um túnel de 100 metros que partia de uma casa até a Penitenciária 1 de Avaré, no interior, para propiciar a fuga de integrantes do PCC que estavam na unidade de segurança máxima. O bando foi pego em março de 2009.

Segundo a denúncia, foram meses trabalhando no túnel. Após comprar o imóvel, a quadrilha o equipou com sistema de monitoramento. Márcia era responsável por cozinhar para o grupo. Os demais integrantes avançavam na escavação de quatro a cinco metros por dia, com auxílio de pás, macacos hidráulicos e radiocomunicadores com GPS.

Outra detenta que já passou pelo RDD foi Marilene Simões, a “Marlene”, “Flor” ou “Bicho Papão”, de 43 anos. Ela é apontada pela Polícia Civil como tesoureira do PCC e seria responsável por contabilizar o dinheiro arrecadado com o tráfico. Condenada a 37 anos e 6 meses em regime fechado, também já foi acusada de integrar a quadrilha que escavou o túnel na Penitenciária 1 de Avaré e de receber ordem da cúpula da facção para coordenar ataques a ônibus em 2006. Com mais de uma reincidência, foi presa em 2010.

Ambas estão hoje presas na Penitenciária Feminina de Sant’Anna. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.