Caravana de 1,5 mil sem-terra quer marchar 430 km para protestar contra gastos da Copa

Grupo sairá neste domingo, 8, de Assis, no oeste paulista, até a capital. Ato também reivindicará reforma agrária e agricultura familiar

José Maria Tomazela, O Estado de S. Paulo

06 de junho de 2014 | 16h40

SOROCABA - Uma caravana com 1,5 mil sem-terra sai em marcha neste domingo, 8, de Assis, no oeste paulista, em direção à capital para protestar contra os gastos da Copa. A marcha, que também vai cobrar a reforma agrária e apoio do governo à agricultura familiar, percorrerá 430 quilômetros em 18 dias por algumas das principais rodovias do Estado, como a Raposo Tavares e a Castelo Branco.

A chegada em São Paulo ocorre ainda durante a Copa e estão previstas manifestações na capital. "Não será um posicionamento contrário à Copa, pois sem-terra também gosta de futebol, mas a questão está na inversão das prioridades. É contraditório aplicar bilhões num evento de âmbito mundial e não atentar para a realidade de milhões de pessoas que vivem em extrema pobreza no campo", disse José Rainha Júnior, coordenador da Frente Nacional de Luta (FNL), que organiza a marcha.

Em Sorocaba, integrantes do comitê Copa Pra Quem? realizam neste domingo, às 14h, manifestação de protesto contra os gastos da Copa em frente ao estádio municipal. Uma hora depois, está previsto um jogo treino da seleção japonesa, hospedada em Itu, no estádio de Sorocaba. O porta-voz Marcelo Santos disse que os japoneses não serão alvo do protesto e, sim, o governo. "Não foi dada uma resposta às manifestações de rua que ocorrem desde o ano passado, então vamos cobrar." A convocação está sendo feita pelas redes sociais.

Nesta sexta-feira, 6, houve um princípio de tumulto no estádio durante a distribuição de ingressos para o jogo treino do Japão. O número de ingressos era bem menor que o de pessoas na fila de espera.

Telão polêmico. Em São Roque, moradores protestam contra o gasto de R$ 632 mil para transmitir os jogos da Copa num telão instalado na Praça da Matriz. De acordo com o estudante Gustavo Ortiz, o dinheiro seria suficiente para construir uma creche. "Falei com alguns vereadores, mas parece que eles também estão de acordo com a gastança."

A prefeitura informou que a verba será repassada pelo Departamento de Apoio ao Desenvolvimento das Estâncias (Dade), órgão da Secretaria de Estado do Turismo, e só pode ser aplicada com essa finalidade.

Segundo a prefeitura, a maior parte do recurso será usada na divulgação das atrações do município, que é estância turística. Já a estrutura para a Copa ficará montada durante um mês na praça, com telão para transmitir todos os jogos, não apenas os do Brasil. Haverá ainda estandes de gastronomia, decoração, palco com shows, sistema de som e segurança.

"O projeto foi aprovado pelos vereadores e pelas comissões turísticas do município, pois o objetivo também é atrair visitantes", informou a prefeitura. Apesar do projeto estar pronto, até a tarde desta sexta-feira, o dinheiro não tinha sido liberado.

Tudo o que sabemos sobre:
Protesto contra Copa

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.