Caraguá resgata lei de 1980 e proíbe estacionamento na praia

Segundo secretário, como antigamente a Avenida da Praia não era urbanizada, motoristas não dispunham de vagas

GERSON MONTEIRO , ESPECIAL PARA O ESTADO , CARAGUATATUBA, O Estado de S.Paulo

10 Dezembro 2011 | 03h03

Perda de sete pontos na Carteira Nacional de Habilitação (CNH) e multa de R$ 574,62. Essa será a punição para o motorista que trafegar ou estacionar seu carro na faixa de areia das praias de Caraguatatuba, no litoral norte paulista.

O turista acostumado a dirigir nas praias deve ficar atento. As praias do Centro, Indaiá e Jardim Aruan já receberam a sinalização de advertência e 34 agentes de trânsito fazem a fiscalização na cidade.

Para dificultar a entrada de carros na faixa de areia, a prefeitura de Caraguatatuba promete fechar entradas de carro onde há muretas e sinalizar todas as praias até o dia 20 de dezembro.

Lei antiga. A Lei Municipal 1.144, que proíbe trânsito e estacionamento de veículos nas praias da cidade, foi publicada em 6 de novembro de 1980. Mas nunca havia sido cumprida.

Segundo o secretário de Trânsito, João Batista Amandes, a justificativa é que antigamente a Avenida Doutor Arthur Costa Filho, mais conhecida como Avenida da Praia, não era urbanizada e os motoristas não dispunham de vagas para estacionamento. "Com a implantação de vagas a 45º e calçamento, estamos visando agora à segurança dos banhistas", afirma.

O município conta com aproximadamente 2.200 vagas públicas e gratuitas de estacionamento na região central - 665 delas ficam na Avenida da Praia, onde estão localizadas as praias mais movimentadas. Há também vagas especiais para idosos e deficientes.

De acordo com o secretário, pelo curto período de fiscalização, ainda não há uma estatística das primeiras autuações. Ele diz, no entanto, que alguns motoristas já foram multados nesta semana e a Secretaria de Trânsito vai avaliar se há necessidade de fazer no futuro uma campanha de orientação principalmente para os turistas, já que no verão a frota de 40 mil veículos sobe para 160 mil na cidade.

Vandalismo. Houve também registro de vandalismo, mas, segundo Amandes, algumas placas que haviam sido destruídas na Avenida da Praia já foram recolocadas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.