Rafael Martins (@leafarsaitam)/Instagram/Reprodução
Rafael Martins (@leafarsaitam)/Instagram/Reprodução

Capital paulista tem tarde mais fria do ano

Termômetros marcaram 19,7ºC até as 15h; temperatura foi de 16,2ºC na madrugada. Previsão é de tempo nublado nesta quarta

Fabio Leite e Júlia Marques, O Estado de S. Paulo

01 Março 2016 | 19h22

SÃO PAULO - A cidade de São Paulo registrou, na tarde desta terça-feira, 1º, 19,7ºC. Segundo o Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet), esta foi a menor temperatura máxima de 2016. Como a maioria das temperaturas máximas são registradas na parte da tarde, é "muito provável", segundo o Inmet, que a tarde desta terça tenha sido a mais fria do ano.

A menor máxima anterior havia sido registrada nesta segunda, 29, quando os termômetros marcaram 21,2ºC. O motivo das baixas temperaturas é a massa de ar frio úmido sobre o oceano e a formação de áreas de instabilidades vindas do interior, segundo o Inmet.

Para um dia de março, segundo a Climatempo, a tarde desta terça-feira foi a mais fria desde 2008, quando a temperatura máxima foi de 19,3°C. Já a madrugada desta terça-feira foi a segunda mais fria do ano, com 16,2ºC, mais quente apenas que a madrugada do dia 17 de janeiro, quando os termômetros marcaram 15,2ºC.

Para esta quarta-feira, a previsão do Inmet é de máxima de 17ºC e máxima de 23ºC. O tempo fica nublado durante todo o dia. 

Chuvas. O volume de chuvas na cidade de São Paulo ficou 16% acima da média em fevereiro, segundo monitoramento feito pelo Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet). Foram 275,1 milímetros de precipitação registrados no mirante de Santana, na zona norte da capital, ante uma média de 236,9 mm observada neste mês entre 1943 e 2015.

O maior volume de chuva registrado em apenas 24 horas no mês ocorreu entre os dias 20 e 21 (102 mm), quando córregos transbordaram, avenidas ficaram alagadas e árvores caíram em diversos pontos da cidade. O recorde de chuva em 24 h oras para fevereiro é de 121,8 mm em 1983, segundo o Inmet.

As chuvas também ficaram acima da média em fevereiro em cinco dos seis mananciais que abastecem a Grande São Paulo. O Sistema Guarapiranga, que fica na zona sul da cidade, foi o que registrou o maior volume (276,4 mm) e também a maior diferença em relação à medida mensal (43,3%), segundo dados da Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp).

Já no Sistema Cantareira, o maior dos mananciais, que abastece 5,7 milhões de pessoas na Grande São Paulo, as chuvas ficaram 16,8% acima da média histórica do mês. Apesar disso, a vazão de água dos rios que abastecem os reservatórios em fevereiro (49,6 mil litros por segundo) ficou 31,7% abaixo do esperado (72,5 mil l/s).

Mais conteúdo sobre:
SÃO PAULO

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.