Maira Galvão (@mairagalvao1971)/Instagram/Reprodução
Maira Galvão (@mairagalvao1971)/Instagram/Reprodução

Capital paulista registra o setembro mais chuvoso desde 1993

Ao menos 38 árvores caíram na cidade de São Paulo; interior registrou transtornos e cerca de 500 mil ficaram sem luz no litoral

O Estado de S. Paulo

29 de setembro de 2015 | 03h00

SÃO PAULO - Balanço divulgado nesta segunda-feira, 28, pelo Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet) mostra que este mês já é o setembro mais chuvoso desde 1993. Até esta segunda-feira, 28, 199,9 milímetros foram registrados no Mirante de Santana, na zona norte da capital. De acordo com o Inmet, a média histórica para o mês é de 78,8 mm - o recorde, de 1993, foi de 206,7 mm. 

Coordenadora de uma associação comercial em Pinheiros, Rose Trovato não conseguiu trabalhar nesta segunda. “Dependo do carro para ir de minha casa até lá. E veja só a situação dele”, comentou, apontando o Celta 2000 amassado na frente de sua casa, na Rua Vespasiano, na Lapa, zona oeste de São Paulo.

Na madrugada de domingo, 27, para segunda, um temporal derrubou 38 árvores em São Paulo, e uma caiu sobre seu veículo. “Um mecânico já passou aqui e deu o laudo: perda total”, disse ela. O carro não era segurado, e Rose pretende processar a Prefeitura por danos materiais.

A queda da árvore ainda danificou - de forma mais leve - um outro veículo, um C3, e deixou duas casas sem luz de 1h30 às 13h. “Não houve maiores problemas. Não queimou nenhum equipamento”, conformou-se a dona de casa Terezinha Oliveira. “A árvore já estava comprometida, era um risco”, disse a dona de casa Sueli Ana Carmignani, vizinha dos acontecimentos. “Felizmente, minha casa não foi afetada.”

A poucas quadras dali, na Rua Duilio, uma árvore deixou o escritório de uma empresa de máquinas de café sem energia elétrica até o meio-dia desta segunda-feira. “Foi uma manhã perdida, já que hoje em dia dependemos do computador para tudo”, lamentou o técnico em manutenção Wagner Dourado Sousa. Segundo a Eletropaulo, os problemas registrados foram pontuais. 

Interior. Chuvas fortes com granizo e rajadas de vento espalharam estragos pelo interior e pelo litoral de São Paulo entre a noite de domingo e a madrugada desta segunda-feira. Pelo menos uma pessoa ficou ferida. Cerca de 500 mil moradores da Baixada Santista ficaram sem energia em consequência do temporal. A chuva derrubou árvores e destelhou casas. Santos, São Vicente, Praia Grande e Cubatão foram as cidades mais afetadas. Também foram registrados problemas em Tupi Paulista, Florínea, Pauliceia, Itu e Salto, entre outras cidades.

Tudo o que sabemos sobre:
São Paulotemporalchuva

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.