Sérgio Castro/Estadão
Sérgio Castro/Estadão

Caos na Vila Madalena faz família deixar casa após sete décadas

Moradores justificam mudança dizendo que bairro está cada vez mais barulhento com os inúmeros eventos a céu aberto que recebe, como o carnaval

Tulio Kruse, O Estado de S. Paulo

18 Fevereiro 2015 | 20h30

SÃO PAULO - A família da neuropsicóloga Cristine Franco Alves, de 45 anos, decidiu deixar a Vila Madalena após sete décadas morando no local. Três gerações já viveram na casa, localizada na Rua Fidalga perto da Rua Aspicuelta, a poucos metros do miolo mais badalado do bairro. Na tarde desta quarta-feira, 18, Cristine carregou o carro com alguns móveis para fazer a mudança.A queixa não é apenas de Cristine. Moradores da região relatam que cada vez mais casas são colocadas à venda. O presidente da Sociedade dos Amigos da Vila Madalena, Cássio Calazans, não tem uma estimativa de quantos proprietários tentam vender seus imóveis, mas diz que é um movimento crescente e que os preços estão caindo.

O motivo da saída é fato de a Vila Madalena ter se tornado um palco de festas a céu aberto. Foi assim no carnaval de 2014, na Copa do Mundo e novamente neste feriadão. "Não é uma escolha", diz Cristine, que está deixando a casa construída na década de 40 pelos avós. "Nunca fui medrosa, mas comecei a ter medo das pessoas que frequentam a rua e ficam aqui de madrugada. Não consigo dormir."

O incômodo com a sujeira na rua e o barulho não é um problema novo. Os moradores pedem que a Prefeitura seja mais rígida no veto ao som alto e nas medidas para reduzir a violência na rua, constantes há mais de dez anos. "É que agora virou um fenômeno extraordinário", afirma Cristine.

Desde a Copa do Mundo de 2014, quando o bairro ficou conhecido pelas festas ao ar livre que deixavam montanhas de lixo na rua, os moradores dizem que a segurança dos moradores e os rendimentos do comércio local se deterioraram.

Para preservar a memória do imóvel, ela evitou fazer reformas. No entanto, resolveu concretar uma janela que dava vista para a rua, após inúmeras dores de cabeça por causa do barulho. Seu filho de 7 anos será o último da família a ter morado ali. "O bloco passa e leva a alegria embora", diz Cristiane. "O que fica para a gente é o depois."Morador da região e administrador de um restaurante no local, Nelson Capeleto, de 29 anos, afirma que donos de bares e restaurantes já conversam sobre a possibilidade não abrir as portas no carnaval de 2016. "Esses eventos estao destruindo a Vila Madalena."

Vendas. As ruas superpovoadas trouxeram pouco benefício para o comércio. Todos os donos de bares da região mais movimentada da Vila ouvidos pelo Estado disseram que o movimento durante este carnaval foi ruim. A presença de vendedores ambulantes na rua fez com que as vendas fossem menores em relação às ao ano passado. "Infelizmente o pessoal que vem não vai entrar para comprar cerveja mais cara, afinal há ambulantes na rua que vendem bebida e comida", diz a cozinheira Sônia Guimarães, moradora do bairro que trabalha há mais de uma década em bares dali. Segundo Sônia, o novo público que passou a povoar as ruas da Vila Madalena no carnaval não são frequentadores de blocos. "Eles vem para quebrar, destruir mesmo."

 

Morador da região e administrador de um restaurante no local, Nelson Capeleto, de 29 anos, afirma que donos de bares e restaurantes já conversam sobre a possibilidade não abrir as portas no carnaval de 2016. "Esses eventos estao destruindo a Vila Madalena."

No dia 4 de março, está marcada uma reunião com o Ministério Público, ONGs locais e a Associação de moradores para fazer uma avaliação do carnaval na região, contabilizando prejuízos. O objetivo é traçar um plano para as festividades do ano que vem. Representantes da comunidade são completamente contrários à realização de eventos de grande porte. "Se for possível não ter carnaval, é melhor. Queremos por aqui gente civilizada", diz o presidente da Sociedade dos Amigos da Vila Madalena, Cássio Calazans.

 

Mais conteúdo sobre:
vila madalena carnaval vandalismo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.