Caos de hospital em Altamira (PA) gera ação do MPF

A Secretaria de Saúde tem 15 dias para apresentar um cronograma de execução das medidas exigidas

Solange Spigliatti, da Central de Notícias,

22 de outubro de 2009 | 08h45

O caos no hospital municipal de Altamira, no Pará, levou o Ministério Público Federal (MPF) do Estado a exigir providências da prefeitura, que tem 15 dias para apresentar cronograma de medidas urgentes para resolver esses problemas.

O hospital sofre com a falta de medicamentos, de leitos e de higiene, infiltrações nas paredes, móveis e instalações sanitárias corroídos pela ferrugem, uma ambulância que ficou sem utilização por pelo menos oito meses, consumo de água imprópria para beber e até a existência de uma fossa sanitária aberta, um risco para as pessoas e ponto de concentração de insetos disseminadores de doenças.

Assinada pela procuradora da República Daniela Caselani Sitta, a recomendação foi encaminhada nesta quarta-feira, 21, à prefeitura de Altamira. O MPF estabeleceu um prazo de 15 dias para que a Secretaria Municipal de Saúde apresente um cronograma prevendo a execução das medidas exigidas. O prazo começa a contar a partir do recebimento da recomendação.

O MPF também encaminhou uma recomendação ao Departamento Nacional de Auditoria do Sistema Único de Saúde (Denasus) para que no prazo de 30 dias seja realizada uma auditoria no hospital.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.