Wertther Santana/Estadão
Wertther Santana/Estadão

Cantareira volta a cair e fecha o mês com metade das chuvas esperadas

Principal reservatório atingiu 19,9% de sua capacidade, ante 20% no dia anterior; em abril choveu apenas 50,4% da média histórica

Felipe Resk, O Estado de S. Paulo

30 Abril 2015 | 09h26

SÃO PAULO - O Sistema Cantareira, responsável por abastecer 5,4 milhões de pessoas na capital e Grande São Paulo, voltou a cair 0,1 ponto porcentual após ter se mantido estável por um dia, segundo aponta relatório da Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp), divulgado nesta quinta-feira, 30. O reservatório encerra o mês de abril com apenas metade do regime de chuva esperado para o período.

O principal manancial de São Paulo chegou a passar 85 dias sem registrar nenhuma baixa - sequência que foi interrompida no início da semana. Nesta quinta, o sistema opera com 19,9% da capacidade, ante 20% no dia anterior.

Sobre a região do Cantareira choveu pouco nas últimas 24 horas: apenas 0,2 milímetro. Por sua vez, a pluviometria acumulada do mês foi de 45,3 milímetros. O índice representa 50,4% da média histórica de abril, de 89,8 mm.

Considerando o índice negativo do sistema, que passou a ser divulgado pela Sabesp após determinação da Justiça, o nível do Cantareira se manteve com - 9,3% da capacidade, o mesmo do dia anterior.

Outros sistemas. Além do Cantareira, o Sistema Guarapiranga, que atende 5,8 milhões de paulistas, também registrou perda no volume armazenado de água. O reservatório teve baixa de 0,2 ponto porcentual e está com 81,8% da capacidade.

Os Sistemas Alto Tietê, Alto Cotia e Rio Grande, que juntos abastecem 6,3 milhões de pessoas, se mantiveram estáveis com 22,3%, 65,5% e 95,6%, respectivamente. No caso do Alto Tietê, o cálculo considera uma cota de volume morto, com 39,4 bilhões de litros de água.

Já o Rio Claro foi o único a subir: 1,9 ponto porcentual. O manancial opera nesta quinta com 49,8% da capacidade, contra 47,9% do dia anterior. Sobre a região, a chuva registrada foi de 37,8 mm.

Mais conteúdo sobre:
Crise da Água São Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.