Rafael Arbex/Estadão
Rafael Arbex/Estadão

Cantareira sobe pelo 5º dia seguido; três mananciais perdem volume

Principal manancial registrou 4,5 mm de precipitação; houve queda de volume de água nos Sistemas Guarapiranga, Alto Cotia e Rio Grande

Juliana Diógenes, O Estado de S.Paulo

20 Fevereiro 2016 | 11h50

O nível do Sistema Cantareira, principal manancial de abastecimento da capital paulista e da Grande São Paulo, voltou a subir neste sábado, 20, e registrou a quinta alta consecutiva, segundo dados da Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp). Houve aumento ainda em um reservatório, enquanto três perderam volume de água armazenada.

De acordo com a Sabesp, os reservatórios que compõem o Cantareira operam com 48,9% da capacidade, ante 48,8% nesta sexta-feira, 19. Esses porcentuais, tradicionalmente divulgados pela companhia, consideram a reserva profunda como se fosse volume útil do sistema.

A última queda do nível do Cantareira foi no dia 22 de outubro, quando o volume de água represada desceu de 15,7% para 15,6%.

Nas últimas 24 horas, choveu sobre a região do Cantareira 4,5 mm. A precipitação em fevereiro tem sido abaixo do esperado e soma 114,8 mm nos 20 primeiros dias do mês, quando a média histórica é de 202,4 mm.

Segundo o índice que calcula a reserva profunda como volume negativo, o nível do manancial avançou 0,1 ponto porcentual e passou de 19,5% para 19,6%. Já o terceiro índice subiu para 37,8%, contra 37,6% do dia anterior.

Outros mananciais. Responsável por socorrer o Cantareira durante a crise da água, o Guarapiranga registrou a maior queda - 0,6 ponto porcentual -, caindo de 84,4% para 83,8%, nível deste sábado. Uma perda de volume de 1,1 ponto porcentual já havia ocorrido no dia anterior. 

Também houve subtração no nível do Alto Cotia, que era de 100,5% e passou a operar com 100,2% neste sábado. O Rio Grande perdeu 0,2 ponto porcentual de volume e opera com 88,8%, contra 89% do dia anterior.

Por sua vez, o Alto Tietê subiu 0,3 ponto porcentual e opera com 30,7%, ante 30,4% anterior. O Rio Claro se manteve estável com 82,9% da capacidade. 

Mais conteúdo sobre:
Grande São Paulo Sabesp

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.