Tiago Queiroz/Estadão
Tiago Queiroz/Estadão

Cantareira sobe pelo 16º dia consecutivo

Principal manancial de São Paulo opera com 19,9% da capacidade; Guarapiranga e Rio Grande tiveram perda de água armazenada

Rafael Italiani, O Estado de São Paulo

04 Dezembro 2015 | 11h28

SÃO PAULO - O Sistema Cantareira subiu pelo 16º dia consecutivo, segundo o relatório diário da Companhia de Abastecimento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp). O reservatório em crise e responsável pelo abastecimento de 5,2 milhões de habitantes da capital, Grande São Paulo e parte do interior, teve um crescimento de 0,2 ponto porcentual nesta sexta-feira, 4, operando com 19,9% da capacidade. 

A chuva de 8,5 milímetros do dia interior impulsionou a melhora. A média esperada de precipitação em dezembro para o manancial é de 219,4 milímetros e, nos quatro primeiros dias deste mês, choveu 28,8 milímetros: 13,1% do aguardado. Antes das altas consecutivas, o Cantareira registrou um mês de quedas no nível das represas que formam o manancial. 

Há mais de um mês o reservatório não registra perda no volume de água armazenada. A última vez foi no dia 26 de outubro, quando o nível do sistema baixou de 15,7% para 15,6%. Considerando apenas os dias em que o sistema teve aumento, a sequência positiva começou no último dia 18, quando o manancial subiu de 17,5% para 17,7%. 

No Alto Tietê, que abastece parte da zona leste paulista e de cidades da Grande São Paulo do entorno do manancial, como Mogi das Cruzes, Poá, Guarulhos e Ferraz de Vasconcelos, o nível permaneceu estável em 16,1%. Hoje, o reservatório é um dos que mais preocupa a gestão hídrica do governo Geraldo Alckmin (PSDB). 

A Represa Guarapiranga, na zona sul da cidade, apresentou queda de 0,2 ponto porcentual, operando nesta sexta-feira com 87,3% da sua capacidade total. O reservatório socorre o Sistema Cantareira, não tem volume morto e abastece cerca de 5,8 milhões de clientes da Sabesp. 

Outros mananciais. No Alto Cotia, o nível passou de 75,7% para 75,5%, o Sistema Rio Grande teve perda de 0,2 ponto porcentual, enquanto o Rio Claro aumentou de 62,7% para 62,8%.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.