Nilton Fukuda/Estadão
Nilton Fukuda/Estadão

Após novo aumento, Cantareira completa 11 semanas sem queda

Principal sistema hídrico de São Paulo perdeu água represada pela última vez no dia 22 de outubro; reservatórios operam com 31,8%

Felipe Resk, O Estado de S. Paulo

07 de janeiro de 2016 | 09h35

SÃO PAULO - Considerado o manancial mais importante de São Paulo, o Cantareira registrou aumento no volume armazenado de alta e completou 11 semanas sem sofrer nenhuma queda, segundo relatório da Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp), divulgado nesta quinta-feira, 7. Dos principais sistemas hídricos, apenas o Rio Grande perdeu água represada.

Responsável por abastecer 5,2 milhões, o Cantareira opera com 31,8% da capacidade, de acordo com índice tradicionalmente informado pela companhia, que considera volume morto como se fosse volume útil do sistema. O aumento em relação ao dia anterior, quando os reservatórios estavam em 31,6%, foi de 0,2 ponto porcentual.

Este foi o 36º dia consecutivo que o Cantareira registrou ganho na quantidade de água represada - a última vez em que se manteve estável foi em 2 de dezembro, ocasião em que o nível do manancial apontava 19,6%. O sistema também completou 11 semanas sem sofrer nenhuma queda. A última aconteceu no dia 22 de outubro, quando os reservatórios caíram de 15,7% para 15,6%.

O novo aumento aconteceu apesar de não ter chovido sobre a região nos últimos dois dias. Já a pluviometria acumulada na primeira semana de janeiro está aquém do esperado. Foram 36,7 milímetros registrados até o momento, o que representa 61,7% do volume esperado no período, caso a média histórica de 8,5 mm por dia estivesse se repetindo. 

Ainda que tenha conseguido emplacar a sequência positiva e opere fora do volume morto desde a semana passada, a situação do Cantareira ainda é crítica. De acordo com o índice que considera a reserva profunda como volume negativo, o manancial opera com apenas 2,6%. Já o terceiro índice está em 24,6%.

Outros mananciais. Atual responsável por atender o maior número de clientes da Sabesp (5,8 milhões), o Guarapiranga voltou a subir após sofrer duas quedas seguidas. Os reservatórios estão com 82,9% da capacidade, ante 82,7% no dia anterior. A alta foi de 0,2 ponto porcentual.

Em crise, o Alto Tietê subiu 0,1 ponto porcentual e está com 25,1%, dado que considera um volume morto acrescentado ao cálculo no final de 2014. Outro a subir foi o Alto Cotia, cujo volume armazenado de água aumentou de 90,1% para 90,3%.

Entre os principais sistemas, Rio Grande foi único a sofrer queda. O nível dos reservatórios caiu de 93,2% para 92,8%: baixa de 0,4 ponto porcentual. Por sua vez, o Rio Claro manteve-se estável em 74,6%. 

Mais conteúdo sobre:
Crise da ÁguaSabespSão Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.