Evelson de Freitas/Estadão
Evelson de Freitas/Estadão

Cantareira fica estável e outros 3 sistemas caem

Reservatórios que compõem o manancial estão com 19,9% da capacidade, mesma quantidade da segunda, segundo a Sabesp

O Estado de S. Paulo

23 Junho 2015 | 10h17

SÃO PAULO - O nível do Sistema Cantareira, principal manancial de São Paulo, ficou estável nesta terça-feira, 23. Os reservatórios registraram 19,9% de capacidade, mesma quantidade da segunda-feira, 22, de acordo com os dados divulgados diariamente pela Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp).

Responsável por abastecer 5,4 milhões de pessoas na capital e Grande São Paulo, a pluviometria sobre o manancial foi de 0,2 milímetro no período. No mês,  há acumulação  de 34,9 mm - a média histórica é de 58,5 mm.

O cálculo, tradicionalmente divulgado pela Sabesp, já considera duas cotas de volume morto, de 182,5 bilhões de litros de água e de 105 bilhões de litros, adicionadas no ano passado. De acordo com o índice negativo do sistema, o Cantareira perdeu 0,1 ponto porcentual e está em -9,4%. No terceiro conceito, o manancial permanece com 15,4%. Esse cálculo divide o volume armazenado no Cantareira pelo volume total (volume útil mais duas cotas de volume morto).

Outros mananciais. O Sistema Rio Grande foi o que mais registrou perda nesta terça-feira. O manancial opera com  90,4% de sua capacidade, 0,4 ponto a menos do que na segunda. Alto Tietê (20,3%) e Rio Claro (63,8%) também tiveram queda no volume, em 0,1 ponto porcentual cada. Já os Sistemas Guarapiranga (75,6%) e Alto Cotia (64,4%) ficaram estáveis. 

Mais conteúdo sobre:
crise da água sistema cantareira

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.