Cantareira completa um mês de alta e pelo 5º dia Guarapiranga cai

Neste sábado, 2, o Cantareira, principal sistema hídrico de São Paulo, completou 31 dias seguidos de alta no nível do manancial

Felipe Resk, O Estado de S. Paulo

02 de janeiro de 2016 | 15h51

SÃO PAULO - Considerado o principal sistema hídrico de São Paulo, o Cantareira completou neste sábado, 2, um mês só registrando alta no volume armazenado de água, segundo relatório divulgado pela Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp). Já o Guarapiranga, atual responsável por atender o maior número de pessoas na capital e Grande São Paulo, e o Rio Grande sofreram queda.

De acordo com índice tradicionalmente divulgado pela Sabesp, o Cantareira subiu 0,5 ponto porcentual e opera com 30,4% da capacidade, ante 29,9% no dia anterior. Esta foi a 31º vez seguida que o nível do manancial registrou alta. A última vez em que o sistema ficou estável foi no dia 2 de dezembro, quando os reservatórios estavam com 19,6%. Já a última queda foi em 22 de outubro. Na ocasião, a quantidade de água represada desceu de 15,7% para 15,6%.

O novo aumento no volume do sistema aconteceu após registro de 17 milímetros de chuva nas últimas 24 horas. A pluviometria acumulada nos dois primeiros dias do ano no Cantareira é de 20 mm - ligeiramente acima do valor esperado caso a média histórica de janeiro, de 8,5 mm por dia, estivesse se repetindo.

Após registro de chuvas acima da média nos últimos meses, racionamento e redução do consumo, o Cantareira conseguiu voltar a operar no azul um ano e meio depois de começar a captar água do volume morto. De acordo com o índice, que considera a reserva profunda como volume negativo do sistema, no entanto, o sistema está com apenas 1,1% da capacidade, contra 0,7% no dia anterior.

Outros mananciais. Atual responsável por abastecer o maior número de clientes da Sabesp, o Guarapiranga, teve a 5ª queda seguida e opera com 82,9%. A baixa foi de 0,4 ponto, visto que o volume no sistema era de 83,3% na sexta-feira, 1º. Além dele, o Rio Grande também caiu de 94,2% para 94%. Foi o 8º dia seguido que o manancial registrou perda no volume de água represada.

Em crise e operando com um volume morto, o Alto Tietê subiu 0,3 ponto porcentual e está com 24%. No dia anterior, esse índice era de 23,7%. Nas últimas 24 horas, choveu forte sobre a região, que acumulou 45 mm.

Os sistemas Rio Claro e Alto Cotia subiram 1,9 e 0,8 ponto, respectivamente, e operam com 73% e 87,3%.

Tudo o que sabemos sobre:
SÃO PAULOSabespGrande São Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.