Candidato a prefeito sofre atentado a tiros em Atibaia, no interior paulista

Professor Wanderley e o segurança dele voltavam de uma reunião na Associação de Moradores do bairro Maracanã, área rural, quando foram surpreendidos por ocupantes de um segundo veículo

Ricardo Valota, O Estado de S.Paulo,

27 de setembro de 2012 | 03h26

SÃO PAULO - O vereador Wanderley Silva de Souza, de 34 anos, o Professor Wanderley, candidato a prefeito de Atibaia, interior paulista, pelo DEM, foi vítima de uma tentativa de homicídio por volta das 21h30 de quarta-feira, 26, no bairro Maracanã, área rural da cidade.

 

Acompanhado de um segurança particular, um 3º Sargento PM aposentado, de prenome Hélio, de 51 anos, ambos ocupando um Gol Geração 5 cinza, alugado, o parlamentar foi surpreendido por um veículo, de placas e modelo não anotados, na altura do nº 16 da Avenida Jerônimo de Camargo. O candidato e o segurança, segundo a polícia, voltavam de uma reunião com membros da Associação de Moradores do mesmo bairro.

 

As vítimas não souberam dizer à polícia quantos homens estavam no veículo que as abordou. Foram feitos vários disparos contra o Gol ocupado por Wanderley. Pelo menos sete deles atingiram o veículo. O sargento aposentado revidou aos disparos, mas ele e o vereador, ainda com o carro em movimento, resolveram pular pela porta oposta à do motorista.

 

Com alguns ferimentos, nenhum grave, em razão da queda, o vereador foi atendido no Hospital Albert Sabin, enquanto o policial militar foi medicado numa unidade de Assistência Médica Ambulatorial (AMA). Segundo a Polícia Civil, não foi anunciado assalto às vítimas. Além disso, a quantidade de tiros efetuados pelos desconhecidos também leva a polícia a trabalhar com a hipótese de tentativa de homicídio.

 

Policiais militares do 34º Batalhão do Interior realizaram buscas na região, mas nenhum suspeito havia sido detido até o meio da madrugada desta quinta-feira, 27. O caso foi registrado no Distrito Policial Central de Atibaia, localizado na Vila Maria.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.