Câmpus é ponto de encontro de corredores na capital

Nos fins de semana, corredores profissionais e amadores, assim como ciclistas, tomam conta da Cidade Universitária, na zona oeste de São Paulo. O câmpus da USP é considerado a "25 de Março" dos atletas, na análise do professor de educação física Luiz Fernando Bernardi, de 43 anos. "É praticamente o único lugar que existe em São Paulo para os corredores. Todo mundo vai para lá", diz o personal, que treinou a médica Eloísa Pires do Prado - umas das vítimas - por oito anos.

O Estado de S.Paulo

17 Agosto 2014 | 02h04

Ontem, ele também corria no câmpus no momento do acidente e chegou a ver a ex-aluna e amiga ser socorrida pelos paramédicos. "Cheguei lá cerca de dez minutos depois do atropelamento. Vi o resgate deles. Foi uma fatalidade. O cara estava bêbado e poderia ter atropelado qualquer um, dentro ou fora da USP." Segundo Bernardi, a rua costuma ser dividida em três: para uso dos corredores, de ciclistas e dos carros. Mas não há sinalização específica.

Também testemunha do acidente, o engenheiro Daniel Lacerda Pagnozzi, de 32 anos, que corre no câmpus, defende que sejam utilizados cones ou outras barreiras para delimitar o espaço de pedestres e carros na Cidade Universitária nos fins de semana. "Os corredores já ficam na faixa da direita, próximos da calçada, mas não há uma separação física. Sei que as assessorias de corrida que atuam no câmpus já conversaram com a USP pedindo isso, mas nunca foi feito", diz. "Não é o primeiro atropelamento que acontece dentro da Cidade Universitária. Espero que, agora, a universidade reveja essa situação."

A corredora Giselli Souza, de 34 anos, que também chegou logo depois do acidente, conta que corre desde 2012 na USP com um grupo de amigas - do qual fazem parte Eloísa e Anelive Torres, ambas atingidas no acidente. Elas se reúnem todos os sábados pela manhã. "Como não há muitas opções em São Paulo, a USP acaba sendo o melhor local, por não ser lotado", diz ela, responsável pelo blog Divas que Correm. Apesar da preferência, Giselli aponta problemas. "Não há policiamento nem fiscalização. Mais cedo ou mais tarde, aconteceria uma tragédia dessas." / A.F., F.C, L.M. e P.S.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.