Câmpus da USP terá limites para esportistas

Câmpus da USP terá limites para esportistas

Número de assessorias que oferecem treinamento será limitado a 50; escolhidas por edital público, elas pagarão taxas

Victor Vieira, O Estado de S. Paulo

31 de agosto de 2015 | 03h00

A Universidade de São Paulo (USP) vai limitar em 50 o número de assessorias esportivas que levam alunos para exercícios ou treinos no câmpus aos sábados, quando são reunidos cerca de 8 mil esportistas. Atualmente, entre 70 e 100 empresas atuam na Cidade Universitária nesse dia, segundo estimativas das próprias assessorias. A universidade também deve cobrar taxas e exigir outras contrapartidas, como a oferta de estágio para estudantes.

Pelo novo modelo, as assessorias esportivas deverão ser aprovadas em edital público, em elaboração pela universidade, e terão responsabilidades, como a de recolher os resíduos gerados. 

Outro edital será lançado para contratar uma empresa para operar o sistema de controle da prática de esportes. A entidade selecionada ficará responsável pela logística, como banheiros e sinalizações. Aos esportistas independentes não haverá necessidade de cadastro. Pela proposta, haverá divisão de um lado do câmpus para ciclistas e outro para corrida e caminhada.

Entre novembro de 2014 e março deste ano, a USP fez quatro testes para elaborar o novo modelo. Um dos fatos que desencadeou a discussão foi o atropelamento e a morte, em agosto do ano passado, de um corredor na Cidade Universitária. Outras quatro pessoas foram atingidas pelo carro, dirigido por um motorista embriagado. O caso motivou protestos de atletas por mais segurança.

Presidente da Associação dos Treinadores de Corrida, Nelson Evêncio elogia a proposta. “O espaço é grande e cabe todo mundo. Falta organizar”, comenta.

De acordo com ele, será importante resolver problemas de estrutura para os esportistas aos sábados. “Os banheiros químicos são insuficientes.” A entidade participou das discussões com a prefeitura da USP para mudar as regras. 

Polêmica. Já Eduardo Barbosa, treinador de corrida e ciclismo na Cidade Universitária, desaprova a ideia. “Não vale a pena a cobrança. A USP é pública”, critica. “Limitar o uso do espaço vai na contramão de outras cidades, que abriram mais áreas para o transporte público.” O câmpus Butantã, defende Barbosa, tem capacidade para mais de 50 assessorias e a presença dos esportistas não prejudica a comunidade universitária.

Já o taxista Vilmar Lacerda, de 37 anos, que trabalha na USP há cinco, discorda. “Eles (os atletas) não respeitam ninguém, passam até pelas pessoas na faixa de pedestre.”

Tudo o que sabemos sobre:
CicloviasMobilidadeUSP

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.