Edu Fortes/AAN
Edu Fortes/AAN

Campinas: vereadores levam ovada após reajuste

Moradores contestam aumento de 126% no salário de parlamentares; guardas usam pistolas de choque contra o protesto

Tatiana Fávaro/Campinas, O Estado de S.Paulo

14 de dezembro de 2011 | 03h02

Aos gritos de "vergonha", cerca de 200 manifestantes jogaram ovos na noite de anteontem contra 28 dos 33 vereadores de Campinas que haviam acabado de aprovar aumento de 126% para seus próprios salários. Guardas municipais reagiram com pistolas elétricas e gás de pimenta.

O projeto foi aprovado sem a maior parte do público da Câmara notar. Vereadores aproveitaram a casa cheia e chamaram a atenção dos presentes para projeto da Macrozona 5, de regularização de bairros periféricos nas regiões do Campo Grande e Ouro Verde - e não explicitamente um reajuste salarial -, e o aumento foi aprovado, sem alarde.

Na próxima legislatura (2013 a 2016), o rendimento mensal dos vereadores vai passar dos atuais R$ 6.636,24 para R$ 15.031,76. Ao perceber que o item já havia sido aprovado, o público que assistia à sessão ficou revoltado.

Ontem, os protestos se ampliaram, principalmente na internet. Fotos dos vereadores de Campinas sorrindo durante a sessão foram publicadas em diversas páginas de redes sociais, acompanhadas de comentários, xingamentos e sinais de mais revolta da população.

Indignados, usuários do site de relacionamentos Facebook foram além das críticas e estão se mobilizando para tirar da Câmara políticos que aprovaram o reajuste. "Vamos mostrar a esses vereadores campineiros que temos memória e sabemos pôr políticos em seu verdadeiro lugar! Vamos iniciar a campanha 'Não vote nos atuais vereadores que votaram no aumento de seu salário'. Nós podemos fazer a diferença", publicou uma eleitora.

Além da aprovação do projeto, a reação dos guardas deixou os moradores de Campinas indignados. "É um absurdo. Vereadores fazem o que querem. Dá raiva, dá vergonha, dá nojo. Aí, o povo reage e toma choque?", perguntou o comerciante Ângelo Dias de Oliveira, de 53 anos.

Votação. Apenas dois vereadores votaram contra o reajuste: Professor Alberto (DEM) e Antonio Francisco, o Politizador (PMN). O vereador Pedro Serafim (PDT) não votou por estar na presidência da Casa. Carlos Signorelli (PT) se ausentou da votação e Sebastião dos Santos (PDT) justificou ausência e não compareceu.

O projeto foi proposto pela Mesa Diretora. O presidente da Câmara disse que o aumento se refere aos reajustes que deixaram de ser dados desde a década de 1990.

Ontem, Serafim não quis dar entrevista sobre o assunto. Por meio de sua assessoria de imprensa, informou apenas que um projeto de redução das verbas de gabinete dos vereadores será apresentado em sessão extraordinária. O presidente da Câmara Municipal não disse qual será o valor exato da redução de gastos de gabinete, mas disse que será equivalente ao aumento de salários.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.