Campinas e Ribeirão Preto vetam pagamento de ônibus com dinheiro

Campinas e Ribeirão Preto vetam pagamento de ônibus com dinheiro

Medidas passam a valer em outubro nos dois municípios; prefeituras argumentam que ação ampliará segurança

O Estado de S. Paulo

02 de outubro de 2014 | 16h28

SÃO PAULO - Duas das maiores cidades do interior paulista decidiram abolir o pagamento da passagem de ônibus com dinheiro vivo. Desde quarta-feira, 1.º, os coletivos de Campinas, a 93 km da capital paulista, só aceitam cartões eletrônicos. Já em Ribeirão Preto, a 313 km de distância de São Paulo, a restrição começará a vigorar no sábado da semana que vem, dia 11.


Segundo a Empresa Municipal de Desenvolvimento de Campinas (Emdec), "a medida visa a dar mais segurança à operação do sistema e também proporcionar mais agilidade e rapidez nos embarques".

O secretário de Transportes da cidade e presidente da Emdec, Carlos José Barreiro, disse que esse é um passo no sentido de, no futuro, o município adotar o conceito de pagamento desembarcado -- situação em que os passageiros embarquem no coletivo já tendo realizado o pagamento da viagem.

Para usar os ônibus, os usuários podem utilizar os cartões da família do Bilhete Único ou os novos cartões eletrônicos do sistema de mobilidade campinense, o Bilhete 1 Viagem e o Bilhete 2 Viagens. O Bilhete Único Comum pode ser feito após cadastro nos postos de atendimento da Associação das Empresas de Transporte Coletivo Urbano de Campinas (Transurc), situados nos terminais Central, Ouro Verde, Barão Geraldo, Campo Grande, Metropolitano e Marcado.

Ribeirão. Inicialmente, a Prefeitura de Ribeirão Preto também adotaria a medida a partir de 1.° de outubro. Contudo, a administração municipal decidiu dar mais tempo para as pessoas fazerem o Cartão Cidadão, que permitirá a abertura das catracas dos ônibus da cidade.

Com isso, a restrição ao uso de dinheiro vivo nos coletivos passa a valer no município em 11 de outubro. Segundo o diretor de Transporte da cidade, José Mauro de Araújo, além de aumentar a segurança de motoristas, cobradores e passageiros, a medida tem como meta reduzir o risco de acidentes no trajeto, além de dar mais agilidade no embarque dos passageiros, com a diminuição do tempo de parada nos pontos e nas viagens.

Esse tipo de ação já vigora em outras cidades do Brasil, como Campo Grande, em Mato Grosso do Sul, onde o pagamento das viagens nos ônibus municipais só pode ser feito com cartão eletrônico emitido pela prefeitura do município.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.