Campanha tenta arrecadar recursos com fiéis

A Arquidiocese do Rio lançou uma campanha para quitar a dívida de cerca de R$ 90 milhões, adquirida com a transferência da Jornada Mundial da Juventude (JMJ) de Guaratiba, na zona oeste, para Copacabana, na zona sul, por causa da chuva. Na época, o arcebispo do Rio, d. Orani Tempesta, anunciou que seria feita auditoria para verificar os gastos e a dívida seria renegociada com os credores.

Thaise Constancio / RIO, O Estado de S.Paulo

28 Novembro 2013 | 02h02

Como primeira medida, a Arquidiocese vendeu o prédio onde funciona há 12 anos o Hospital Quinta D'Or, em São Cristóvão, zona norte, por R$ 46 milhões para a própria Rede D'Or. Os outros R$ 43,2 milhões devem ser arrecadados por meio de doação dos fiéis pelo site www.doarjmj.com.br.

Organizador da Jornada, o Instituto JMJ informou que a maioria dos credores concedeu descontos e alguns perdoaram as dívidas da Igreja. No entanto, nenhum prazo para quitação total foi divulgado.

Mobilização. A campanha é massiva: nos folhetos das missas há anúncio convidando os fiéis a colaborarem com a campanha. Nas redes sociais, grupos de jovens realizam ações de arrecadação para ajudar a quitar a dívida da Arquidiocese. Na Paróquia Nossa Senhora da Paz, em Ipanema, zona sul, mesmo sem orientação oficial, o pároco colocou um cartaz no quadro de aviso com informações sobre a campanha.

Artistas como Roberto Carlos e Erasmo Carlos e religiosos como os padres Fábio de Melo, Reginaldo Manzotti e Omar Raposo cederam os direitos de imagem e autorais para ajudar a campanha. A venda de DVDs e CDs sobre a Jornada também ajudarão na captação de recursos para quitar as dívidas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.