Campanha recruta paulistano para recolher lixo nas ruas

Kits com luvas e sacos serão distribuídos em 96 ecopontos, que também receberão os resíduos recolhidos

VALÉRIA FRANÇA, O Estado de S.Paulo

27 de maio de 2012 | 03h02

Hoje, o universitário Pedro Rodrigues dos Santos, de 19 anos, tem um encontro marcado com 150 amigos do Facebook no vão livre do Museu de Arte de São Paulo (Masp). Às 11 horas, eles sairão em marcha com sacos de lixo nas mãos e luvas plásticas em direção ao bairro de Higienópolis, na região central, recolhendo o lixo que encontrarem nas ruas. Eles vão participar da ação Limpa Brasil - Let's Do It!

Trata-se de uma campanha internacional que começou na Estônia e chegou ao Brasil em 2011. "O paulistano precisa de menos discurso e mais ação", diz Santos. Neste ano, a campanha já passou por Rio, Goiânia, Campinas, São Bernardo do Campo e Diadema. Hoje, é a vez de São Paulo, que também ganha 97 ecopontos, postos destinados a receber todo o material reciclável coletado pelos voluntários durante a ação, montados em escolas públicas, CEUs, e supermercados da rede Pão de Açúcar.

Os postos também aceitam aparelhos elétricos, baterias e pilhas, entre outros resíduos desse tipo. Os endereços estão no site da campanha, www.limpabrasil.com. "Em alguns desses ecopontos vão acontecer ações especiais", diz Marta Rocha, organizadora da campanha.

Moradores do Morumbi, na zona sul, vão até a favela de Paraisópolis, ao lado, ajudar na limpeza das ruas da comunidade.

Música no Vale. Na região central, o cantor Toni Garrido promete percorrer todos os ecopontos daquela área, antes de fazer um show no Vale do Anhangabaú, marcado para as 16 horas, ao lado de Mariana Aydar e Felipe Catto. Com uma diferença em relação às apresentações musicais convencionais: se o lugar ficar sujo, os músicos param de tocar.

"Os espectadores terão a responsabilidade de coletar todo o lixo que produzirem durante o show", avisa Marta. O principal objetivo da campanha é ensinar o paulistano a jogar o lixo no lixo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.