Caminhoneiro salva policial. E vira herói

No aniversário de 28 anos, Luís Antônio da Silva socorreu um sargento que tinha caído da moto; quase 10 anos depois, ele foi recompensado pelo gesto

O Estado de S.Paulo

14 Dezembro 2011 | 03h04

Era um domingo de 2002, 4 de fevereiro, aniversário de 28 anos do caminhoneiro Luís Antônio da Silva. Mesmo depois de trabalhar os seis dias da semana, Silva não reclamou quando o patrão lhe pediu para levar uma carga de açúcar até Cerquilho, no interior de São Paulo. Aceitou adiar a comemoração em família e pegou a estrada.

O que poderia ser somente um motivo para reclamar da dura rotina ao volante acabou rendendo, na tarde de ontem, o título de Herói da Estrada, prêmio promovido em diversos países pela Goodyear.

Foram analisadas mais de mil histórias de caminhoneiro ocorridas desde 2000. Além das glórias, Silva ganhou um caminhão novo da Volkswagen avaliado em R$ 250 mil.

Naquele dia especial de 2002, por volta das 10h30, Silva trafegava pela Rodovia do Açúcar, perto de Piracicaba. Já estava com a carga carregada quando iniciou uma ultrapassagem. Ao olhar pelo retrovisor direito, percebeu a roda de uma motocicleta no acostamento. Encostou o caminhão e desceu para ver se havia alguém ferido. Passou a descer a ribanceira lateral da estrada para checar se alguém precisava de ajuda. Conforme andava, via os pedaços da moto e avistou um homem deitado, que levantou o braço ao perceber a chegada de ajuda.

Comoção. A vítima do acidente era o sargento Gentil Canuto Júnior, da Polícia Militar, que havia desaparecido 16 horas antes, a caminho do trabalho. Na queda, Canuto teve múltiplas fraturas na perna e precisou aguardar socorro com uma fratura exposta. Silva ligou para o 190 e houve enorme mobilização e comoção entre os PMs. Canuto recebeu o tratamento necessário no hospital. E Silva se tornou herói.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.