Caminhões trazem riscos à Marginal à noite e CET estuda limite de 70 km/h

A restrição de tráfego para caminhões em São Paulo retirou cerca de 30 mil veículos da Marginal do Pinheiros durante o dia. Mas, pontualmente às 21 horas, a via voltou a ser invadida por caminhões de todos os tipos e tamanhos, que trafegam em alta velocidade, realizam manobras arriscadas, infringem as regras e colocam em risco os outros motoristas. Em um horário em que a fiscalização é quase inexistente.

Renato Machado, Rodrigo Brancatelli, O Estado de S.Paulo

16 de setembro de 2010 | 00h00

A situação fez a Companhia de Engenharia de Tráfego (CET) iniciar estudos para reduzir o limite de velocidade. Os caminhões podem circular hoje na Pinheiros a até 90 km/h - a CET deve reduzir esse limite para 70 km/h nos próximos dias. A mesma medida já foi adotada na Tietê. "Deixar os caminhões andarem a 90 km/h ali é assustador, absurdo", diz Sérgio Ejzenberg, mestre em Transportes pela Poli/USP. "Se um veículo pesado tiver de frear, poderá facilmente tombar."

Desde o início da restrição, no dia 2, a reportagem do Estado acompanhou a movimentação dos caminhões à noite na Marginal do Pinheiros. A partir das 21 horas, há uma grande saída desses veículos, transitando quase todos perto ou acima do limite de 90 km/h. Muitos colocam farol alto atrás dos demais motoristas ou arriscam ultrapassagens arriscadas. Tudo para recuperar o tempo perdido por não poderem circular de dia. Não houve, nos percursos feitos, uma única vez em que se registrou algum funcionário da CET para flagrar as irregularidades. Também não foram encontrados guinchos, como ocorre durante o dia.

"Nós não estamos infringindo a lei. Andamos dentro do limite", diz o caminhoneiro João Luís Dias, que esperava no acostamento a hora de poder circular, na noite de segunda-feira. Mas muitos desrespeitam as leis de trânsito. Na Pinheiros, os veículos de carga devem transitar apenas pelas duas faixas da direita. Mas o que se vê são até cegonheiros com automóveis invadindo as faixas para ultrapassagem e depois retornando - em manobras bruscas.

Guinchos. Esse cenário se passa praticamente sem fiscalização da CET. Mesmo com o volume maior de caminhões à noite e de madrugada, a companhia não reforçou a vigilância. Nas quase duas horas em que a reportagem percorreu a via na segunda-feira, nenhuma viatura foi vista. A CET informou que oito fazem a fiscalização na Pinheiros, "além de contar com policiais do Comando de Policiamento de Trânsito (CPTran) e com a fiscalização dos radares (há quatro)".

A CET também afirma que dois guinchos ficam parados para atendimento nas Avenidas dos Bandeirantes e Politécnica - nenhum estava a postos na segunda-feira. A companhia também diz que os dois pátios operacionais da região podem dar suporte, em caso de acidentes.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.