Caminhões e ônibus quebrados elevam lentidão nas ruas de SP

Segundo a CET, o trânsito estava mais complicado no setindo Castelo Branco da Marginal do Pinheiros

Solange Spigliatti e Ricardo Valota, estadao.com.br

12 de março de 2008 | 08h43

Um dia depois de a cidade ter registrado o recorde de congestionamento para o período da manhã, do ano, e quase ter atingido a marcamáxima histórica de 191 quilômetros de lentidão, o trânsito em São Paulo já registrava um alto índice de lentidão por volta das 8h30 desta quarta-feira, 12. Segundo boletim da Companhia de Engenharia de Tráfego (CET), fazia a cidade acumular 124 quilômetros de morosidade. VEJA TAMBÉM Acompanhe a situação do trânsito em SP agoraPesquisadores mostram como se forma o trânsito  Para especialistas, caminhões 'dão nó' nas ruasO trânsito, para você, tem piorado? Opine   Segundo a CET, além do excesso de veículos, a lentidão também era causada pela chuva leve que caía em algumas regiões da capital. Além disso, caminhões e ônibus quebrados também ampliavam os problemas. De acordo com boletim da CET, até as 8h15 foram registrados 12 ônibus e três caminhões quebrados nas principais vias da cidade, o que causava grande transtornos aos motoristas. Apenas dois acidentes foram registrados no período, os dois envolvendo motocicleta e automóveis, deixando uma vítima cada. Um na avenida 23 de Maio e outro na Avenida dos Bandeirantes. O tráfego estava mais complicado na Marginal do Pinheiros, que concentrava cerca de sete quilômetros de lentidão na pista expressa sentido Interlagos, entre a Rua Quintana e Ponte João Dias, e quase seis quilômetros de morosidade na pista expressa, no mesmo sentido, entre as pontes Cidade Universitária e Castelo Branco. Buraco na Rua Clélia A faixa central da rua Clélia está interditada entre as ruas Aurélia e Spartaco, na Lapa, zona oeste da capital paulista, em razão de um buraco que foi aberto na pavimentação. Para evitar o trecho da via afetado pelo solapamento, deve acessar as ruas Aurélia e Faustolo, retornando em seguida à Rua Clélia.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.