Ernesto Rodrigues/AE
Ernesto Rodrigues/AE

Caminhão será vetado em ruas do Morumbi

Descrentes, alguns moradores do bairro já pedem, porém, fim de restrição na Marginal

, O Estado de S.Paulo

21 de setembro de 2010 | 00h00

A Secretaria Municipal dos Transportes de São Paulo anunciou ontem a ampliação das restrições a veículos de carga para quatro vias do Morumbi, na zona sul. Será restrito o tráfego de caminhões nas Avenidas Jorge João Saad, Giovanni Gronchi, Morumbi e Dr. Guilherme Dumont Villares, entre outras. Mas ainda não há prazo nem modelo definido para as novas regras.

O bairro virou alternativa a veículos de carga que foram proibidos de circular na Marginal do Pinheiros e nas Avenidas dos Bandeirantes e Jornalista Roberto Marinho - restrições que começaram a vigorar no dia 2. No dia seguinte, o Estado mostrou que as já saturadas vias do bairro residencial estavam ainda mais carregadas com o tráfego extra de caminhões - durante uma hora, 320 veículos de carga passaram pela Giovanni Gronchi.

A ampliação da proibição para esses locais, segundo o secretário municipal de Transportes, Marcelo Cardinale Branco, visa a retirar das vias paulistanas os veículos que vêm do interior paulista com destino ao ABC e ao Porto de Santos. "Fizemos um mapeamento de origem e destino dos caminhões que cruzam o Morumbi e ficou claro que existe um volume de veículos que cruza a cidade de São Paulo em direção a esses locais."

Para o secretário, os veículos que não levam carga à capital paulista devem usar o Trecho Sul do Rodoanel, em vez de passar por dentro da cidade. Caminhões que vão para a zona sul devem fazer as entregas à noite ou dividi-las em lotes menores, que podem ser entregues em veículos urbanos de carga (VUCs, cujo cumprimento máximo é de 6,3 metros). O secretário reiterou também que vai flexibilizar as proibições para caminhões de construção civil.

Reações. As mudanças recentes desagradaram aos moradores do Morumbi, que agora querem a liberação dos caminhões na Marginal do Pinheiros. "A Prefeitura precisa voltar atrás e liberar o trânsito na Marginal", diz o presidente do Conselho de Segurança (Conseg) do Portal do Morumbi, Celso Neves Cavallini. "Se não usarem essas ruas (nas quais haverá a nova restrição), os caminhões vão achar outras no próprio bairro."

O setor de carga também criticou as proibições. Para o Sindicato das Empresas de Transporte de Carga de São Paulo (Setcesp), o risco de desabastecimento do comércio da cidade - em especial da zona sul - já havia aumentado após as restrições do dia 2.

O presidente da entidade, Manoel Sousa Lima, afirma que a proibição no Morumbi serve para tentar corrigir uma falta de planejamento anterior. "Nós já havíamos avisado que os caminhões fugiriam pelo Morumbi, mas a Prefeitura não detectou isso e agora precisa corrigir. É como dar o tiro e sair atrás da bala."

O setor reivindica que haja a liberação do tráfego de caminhões na Marginal do Pinheiros das 10 às 17 horas, fora do horário de pico.

O Setcesp também quer que a Prefeitura exija que os grandes estabelecimentos comerciais fiquem abertos à noite, para receber os produtos. / R.M., R.B. e BRUNO RIBEIRO

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.