Caminhão em via proibida

OBRAS NO AEROPORTO DE GUARULHOS

O Estado de S.Paulo

10 de janeiro de 2012 | 03h03

Por conta das obras no Aeroporto de Guarulhos está havendo a remoção de um enorme volume de terra. Para realizar o serviço, a Empresa Brasileira de Infraestrutura Aeroportuária (Infraero) contratou a locação de caminhões de grande porte. Foi definida uma rota de tráfego desses caminhões, mas, de forma irregular, eles transitam por ruas residenciais, em alta velocidade. Esses veículos circulam, por exemplo, nas Ruas Muritiba e Nova York, expondo moradores a risco de atropelamentos, colisões com outros veículos, danos estruturais nos imóveis e na rede de água e esgoto. Há dificuldade de comunicação com a Infraero, e a prefeitura de Guarulhos não dá respostas efetivas.

JOÃO BATISTA DE FREITAS / GUARULHOS

A Infraero informa que a circulação de caminhões da obra consta do planejamento feito pelo Exército (corresponsável pela execução dos serviços) e que todo o roteiro foi aprovado pela prefeitura de Guarulhos. Esclarece que a obra está com os trabalhos de remoção quase concluídos, o que resultará em redução significativa da circulação de caminhões, e que solicitou ao Departamento de Engenharia do Exército que oriente as empreiteiras a realizar o trajeto de forma segura.

O leitor afirma: A rota de caminhões deveria ser pela Avenida Papa João Paulo I, mas isso não é seguido. Engenheiros confirmam que os caminhoneiros ganham por caminhão carregado, o que explica o uso de "atalhos" (vias residenciais) e a alta velocidade. Percebo que nada será feito e a impunidade será mantida, pois quem resolverá: a Infraero ou o Exército? A prefeitura foi acionada várias vezes, mas nunca vimos uma viatura no local.

PARQUE DA ACLIMAÇÃO

Lodo, esgoto e insatisfação

Gostaria de registrar o meu protesto. O lago do Parque da Aclimação está sumindo, o lodo tomou conta de quase metade do espaço e o mato cresceu no meio dele, ou seja, já perdeu a forma de mapa do Brasil. Além disso, em diversos dias o cheiro é de esgoto. Em fevereiro completará 3 anos que o vertedouro antigo rompeu. No início de 2011, houve forte chuva de granizo e os córregos que saem do lago transbordaram, muros caíram, ruas ficaram alagadas e, para minha surpresa, peixes apareceram nas calçadas. A natureza está tentando se refazer. E a Prefeitura fará o que lhe cabe, quando? O prazo era até o início de 2010, mas não foi cumprido.

CYNTHIA RANIERI

/ SÃO PAULO

A Secretaria do Verde e do Meio Ambiente esclarece que o lago do Parque da Aclimação passou por processo de revitalização nos últimos anos, com a retirada de 940 toneladas de lodo e a construção de um vertedouro com capacidade de extravasão muito maior do que o anterior, em casos de altos volumes de chuva. O lodo não foi removido em sua totalidade, pois a vida aquática, em especial a microscópica, necessita de sua presença para se desenvolver. O nível da água do lago varia de acordo com a estação do ano. No inverno, o nível deve ficar mais alto, cobrindo a ilha. No verão, ele será diminuído e servirá de reservatório para amortecer as águas das chuvas e a ilha deve ficar aparente, servindo como refúgio à avifauna. O lago encontra-se habitado por muitos peixes e aves migratórias.

A leitora questiona: Pelo que a Secretaria diz, devo entender que o lago foi transformado num "piscinão" dentro do parque, é isso? Que teremos de conviver com o cheiro de esgoto; e que as aves (patos, gansos e marrecos), que antes habitavam o parque e foram transferidas para o Ibirapuera, não mais retornarão. Pelo visto, acabaram-se as carpas também. Quem esteve no Parque da Aclimação antes do acidente consegue notar o crime ambiental cometido. Isso é um desrespeito à natureza e ao cidadão.

AES ELETROPAULO

Calçada com rachaduras

Há alguns anos a AES Eletropaulo trocou o poste velho por um novo, mas não executou a obra de maneira bem feita. Por isso, tive de cimentar um pedaço da calçada. O poste da rede da rua está inclinado e o chão da minha calçada, rachando e afundando. O poste pode cair e causar prejuízo para mim e para vizinhos que deixam carros na rua. Fiz duas reclamações em novembro, mas não tive resposta. Não vou mais gastar dinheiro em algo que é de responsabilidade da Eletropaulo.

NELSON JOSÉ ZOVICO

/ SÃO PAULO

A AES Eletropaulo informa que esteve no local onde o poste em questão está instalado e averiguou que não há risco de queda. Acrescenta que o poste foi instalado de acordo com as normas e os padrões de segurança.

O leitor contesta: Não acredito que eles foram ao local averiguar, pois o chão está rachado e o poste, inclinando. Espero

que consertem a calçada.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.