José Patrício/Estadão Conteúdo
José Patrício/Estadão Conteúdo

Caminhão bate em viaturas de resgate na Mogi-Bertioga

Veículos atenderiam tragédia que deixou pelo menos 18 mortos nesta quinta-feira na rodovia, 9; não houve feridos na colisão

Luiz Fernando Toledo, O Estado de S.Paulo

09 Junho 2016 | 09h34

SÃO PAULO - Um caminhão desgovernado bateu em duas viaturas do Corpo de Bombeiros que seguiam para atendimento das vítimas do acidente de ônibus na Rodovia Mogi-Bertioga, no litoral norte de São Paulo, na madrugada desta quinta-feira, 9. Não houve vítimas dessa colisão. A informação foi confirmada pela Polícia Rodoviária Estadual.

De acordo com um policial rodoviário, o veículo perdeu o freio e atingiu um carro dos bombeiros. Em seguida, o carro foi empurrado sobre o caminhão da corporação. 

Um ônibus da Companhia União Litoral, com pelo menos 46 pessoas a bordo, capotou na noite desta quarta-feira, 8, na rodovia. Segundo informações dos bombeiros e da Polícia Civil, 18 pessoas morreram, entre eles o motorista, e 31 ficaram feridas.

De acordo com as equipes de socorro iniciais, o veículo levava estudantes das Universidade de Mogi das Cruzes (UMC) e Brás Cubas (UBC) para a cidade de São Sebastião, no litoral norte de São Paulo. O acidente aconteceu no km 84, entre Mogi das Cruzes e Bertioga. Ainda segundo informações dos bombeiros, o motorista perdeu o controle do veículo, colidiu de frente com um rochedo na pista contrária e caiu em uma ribanceira.

Pelos menos 20 viaturas e 67 homens do Corpo de Bombeiros e da Polícia Militar, além de oito ambulâncias do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) do litoral, atenderam o caso. Grupos de outras cidades litorâneas também foram deslocadas para prestar atendimento às vítimas. Equipes do Departamento de Estradas e Rodagem (DER) estavam no local, uma vez que o tráfego teve de ser bloqueado nos dois sentidos.

De acordo com o Corpo de Bombeiros, oito vítimas estão no Pronto-Socorro de Bertioga, quatro no Pronto-Socorro de São Sebastião, quatro na Santa Casa de  Mogi das Cruzes e três no Hospital Santo Amaro, no Guarujá.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.