Filipe Araújo/AE
Filipe Araújo/AE

Caminhada e dia no Playcenter antecedem a Parada Gay

Programação no sábado inclui eventos que esquentam a parada que acontecerá no domingo na Paulista

12 Junho 2009 | 13h57

A programação que antecede a Parada Gay inclui caminhada lésbica e Gay Day no Playcenter neste sábado, 13, e deve esquentar a 13ª Parada do Orgulho LGBT de São Paulo, principal evento que encerra o feriado prolongado de Corpus Christi neste domingo. A previsão é que 3 milhões de pessoas participem da parada na Avenida Paulista. No sábado, a 7ª Caminhada das Lésbicas terá concentração às 13 horas na Praça Oswaldo Cruz, na Avenida Paulista, e o Gay Day acontecerá das 11 às 21 horas no Playcenter.

 

Uma opção de hospedagem na cidade é o 155 Hotel, na Rua Martinho Prado, 173, na Bela Vista. "Temos orgulho em dizer que é o primeiro hotel ‘gay friendly’ da cidade", diz Sérgio Luiz Pereira, dono do empreendimento, que garante que qualquer pessoa, gay ou não, poderá se hospedar nele. Com investimento de R$ 6 milhões, o hotel pode receber até 200 hóspedes. A diária para casal custa R$ 95.

 

Trajeto da parada

 

Os trios atravessarão a Avenida Paulista na contramão até a esquina com a Consolação, por conta das obras da Linha Amarela do Metrô. A partir daí, seguem na pista da direita até a Roosevelt. A CET interditará quatro vias e proibirá o estacionamento em outras quatro. Os bloqueios começam às 10 horas e, em algumas ruas, só serão liberados às 21 horas.

 

A primeira interdição vai das 10 horas às 11h30 nos dois sentidos da Paulista, entre a Alameda Joaquim Eugênio de Lima e a Rua Peixoto Gomide. Em seguida, será interditado o trecho até a Consolação. A partir do meio-dia haverá interdições na Rua Rego Freitas e na Avenida Ipiranga.

 

Será proibido estacionar na Alameda Santos e no corredor composto pelas vias Cincinato Braga, São Carlos do Pinhal e Antônio Carlos. A Avenida Angélica e a Ligação Leste-Oeste são as opções à Consolação. A SPtrans vai alterar o itinerário de 55 linhas de ônibus. Mais informações pelo site da SPTrans. http://www.sptrans.com.br/.

 

Pets na parada

 

A turma de quatro patas tem espaço na Parada do Orgulho LGBT. Os gays, lésbicas, travestis e simpatizantes podem enfeitar seus cachorros e gatos com acessórios das cores do arco-íris. E são várias as opções de produtos à disposição de quem quer entrar no clima da festa: roupinhas, bandanas, peitoral, coleiras, laços e gravatas.

 

No pet shop Bicho na Caneca, os gays representam 90% da clientela. A loja é na Rua Frei Caneca, nos Jardins, tradicional reduto homossexual. Esta semana, os cães saem do banho com gravatinhas e lacinhos nas cores da Parada. "Temos clientes que compram as bandanas para eles próprios usarem", conta a gerente da loja Izabela de Oliveira, de 27 anos.

 

No domingo, a loja vai estar aberta. "Nós não recomendamos levar os cães na Parada porque eles ficam muito estressados com tanto barulho, mas muitos donos devem passar por aqui". Os mimos custam entre R$ 10 e R$ 30. A loja foi criada pelo veterinário Davi Bialski, que queria oferecer um espaço onde os gays donos de animais se sentissem acolhidos.

 

Outra loja que tem público predominante gay é a Mais Pet na Alameda Franca, também nos Jardins. O movimento de visitantes aumenta nesta época. Entretanto, o proprietário Fábio Lepore, não observa crescimento na venda de produtos relacionados à Parada. "É que muitos gays não querem que seus cachorros sejam rotulados", acredita.

 

Mas em um ponto os dois estabelecimentos concordam: o público LGBT tem um carinho especial pelos animais. "Os bichos são tratados como filhos, já que eles não os têm e a adoção de crianças ainda é difícil", explica Izabela.

 

(Com Marici Capitelli, do Jornal da Tarde)

Mais conteúdo sobre:
Parada Gay São Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.