Sérgio Castro/Estadão
Sérgio Castro/Estadão

Câmeras da polícia vão ajudar a fiscalizar campeões de multa

Convênio vai permitir que Prefeitura de SP utilize sistema estadual para detectar os veículos que mais cometem infrações de trânsito

Juliana Diógenes, O Estado de S. Paulo

08 Janeiro 2016 | 11h53

SÃO PAULO - A Prefeitura de São Paulo e o governo do Estado assinam, até o fim do mês, um convênio para troca de dados das câmeras de monitoramento estadual e municipal, com o objetivo de fiscalizar ocorrências na capital. Com o convênio, o prefeito Fernando Haddad (PT) quer usar o Detecta, sistema estadual de monitoramento, para identificar a rota dos 5% dos veículos que, conforme a Prefeitura, são responsáveis por mais da metade das multas de trânsito na cidade.

Em reunião nesta sexta-feira, Haddad e o secretário estadual da Segurança Pública, Alexandre de Moraes, acertaram como vai funcionar a troca de informações. Segundo Moraes, a ideia é que o Estado tenha acesso aos dados de mais de 1 mil radares da Prefeitura. Em contrapartida, a administração municipal teria acesso às 900 câmeras do Detecta, equipamento controlado pela Central de Operações da Polícia Militar (Copom). “Vamos ceder o Detecta para a Prefeitura para que possamos fazer um combate mais eficiente da criminalidade. O prefeito Haddad concordou. Achou uma ótima ideia acelerarmos esse convênio”, disse Moraes. O prefeito não falou com a imprensa. 

Blitze. De acordo com o secretário, a pedido de Haddad, será incluída no convênio a possibilidade de uma operação conjunta da Polícia Militar, do Comando de Trânsito e da Guarda Civil Metropolitana (GCM) para apreender os veículos devedores de multa. Moraes afirmou que GCM vai receber treinamento para usar as câmeras do Detecta. O sistema já serve a outras prefeituras do Estado, como os municípios do litoral. 

Conforme explicou Moraes, o convênio vai principalmente garantir que a polícia fortaleça o combate a crimes envolvendo veículos. “A partir do momento em que tivermos acesso a todas as câmeras e a todos os radares (da Prefeitura), a prioridade da Secretaria da Segurança Pública são os carros furtados e roubados, os veículos que praticaram alguma atividade criminosa, por exemplo, sequestro relâmpago e roubo a banco”, disse.

Para José Vicente Filho, coronel reformado da PM e consultor em segurança, a conexão de informações entre Estado e Município vai dar mais agilidade à ação policial. “Um veículo suspeito que esteja envolvido em assalto a banco, ou que atropelou alguém ou praticou roubo a pedestre, imediatamente será flagrado pelas câmeras que estejam no caminho e passa-se a perseguir o veículo com as imagens. Vai permitir, para a polícia, uma ação mais eficiente”, destacou. Segundo o especialista, o sistema é uma tendência das estruturas modernas e funciona há anos, com êxito, em municípios paulistas como São Caetano do Sul, Santos e São José dos Campos. 

Estrutura. Vicente afirmou, no entanto, que é preciso aliar gestão à estrutura. “Só vai melhorar com uma boa gestão. Uma coisa é montar a estrutura e outra é gerir essa estrutura para que funcione bem. Mas na SSP e na PM temos estrutura de eficiência. Acredito que GCM e PM vão se entender bem.”

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.