Camelôs protestam contra restrições na feirinha do Brás

Cerca de 700 vendedores ambulantes fizeram um protesto na noite de anteontem contra operação da Prefeitura e Polícia Militar que impede a montagem de barracas em parte da área da Feirinha da Madrugada.

Bruno Lupion, O Estado de S.Paulo

28 Janeiro 2011 | 00h00

Segundo o Sindicato dos Camelôs Independentes de São Paulo (Sindcisp), 6 mil ambulantes trabalham na Feira da Madrugada, dos quais 2 mil estão impedidos de vender produtos nas Ruas Barão de Ladário, Miller e Maria Marcolina, entre o Largo da Concórdia e a Rua Oriente. Nas Ruas Monsenhor de Andrade e Rodrigues dos Santos, a Feirinha funcionava normalmente.

Leandro Dantas, presidente do Sindcisp, diz apoiar a organização do comércio popular, mas pede espaços alternativos para os camelôs, como bolsões. "A Prefeitura não pode simplesmente eliminar a categoria, somos trabalhadores."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.