Camelôs protestam contra restrição em feira do Brás, no centro de SP

Segundo o Sindicato, dos 6 mil ambulantes registrados no local, 2 mil estão proibidos de trabalhar

Bruno Lupion - estadão.com.br,

27 Janeiro 2011 | 07h46

SÃO PAULO - Cerca de 700 vendedores ambulantes organizaram um protesto no Brás, região central da capital, na noite de quarta-feira, 26, contra operação conjunta da Prefeitura e Polícia Militar que há duas semanas impede a montagem de barracas em parte da área da Feirinha da Madrugada. Policiais acompanharam a manifestação e não houve confronto.

 

Segundo o Sindicato dos Camelôs Independentes de São Paulo (Sindcisp), 6 mil ambulantes trabalham na Feira da Madrugada, dos quais 2 mil estão impedidos de vender produtos desde o início da Operação Delegada nas ruas Barão de Ladário, Miller e Maria Marcolina, entre o Largo da Concórdia e a Rua Oriente. Nas ruas remanescentes, como Monsenhor de Andrade e Rodrigues dos Santos, a Feirinha funcionava normalmente na madrugada desta quinta-feira, 27.

 

"Por enquanto, temos ordem da Prefeitura para manter apenas esse perímetro liberado", disse o tenente Silva Neto, do 1º Batalhão de Trânsito. A Operação Delegada, conhecida como "bico oficial", remunera os policiais que aceitam trabalhar nos dias de folga em áreas delimitadas pela Prefeitura.

 

Leandro Dantas, presidente do Sindcisp, diz apoiar a organização do comércio popular, mas pede espaços alternativos para os camelôs, como bolsões. "A Prefeitura não pode simplesmente eliminar a categoria, somos trabalhadores", diz.

Mais conteúdo sobre:
Brás camelôs protesto

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.