Camelôs fazem protesto e se acorrentam em rua do Brás

Grupo faz movimento apelidado de "Acorda Camelô", começa greve de fome e promete caminhada na região

Solange Spigliatti, do estadao.com.br,

08 de agosto de 2007 | 08h36

Cerca de 30 camelôs se acorrentaram como forma de protesto contra a diminuição dos Termos de Permissão de Uso dados pela Prefeitura de São Paulo na região do Brás, no centro de São Paulo. O grupo começou o protesto, chamado "Acorda Camelô" às 7 horas, quando se aglomeraram no meio da Rua Ministro Firmino Whitake, próximo ao Largo da Concórdia, e se acorrentaram, dando início também a uma greve de fome. Segundo o sindicato dos camelôs, outros 200 vendedores ambulantes estão ao redor do grupo e prometem fazer uma passeata, ainda sem horário definido para começar, pelas ruas do Brás. Os ambulantes exigem da prefeitura a criação de mais um bolsão, igual ao já existente e lotado, conhecido como Shopping Popular, feito para 3.300 ambulantes legalizados. Como alternativa à construção, eles pedem a distribuição dos Termos de Permissão de Uso para que os considerados ambulantes ilegais possa atuar fora do bolsão existente.

Tudo o que sabemos sobre:
camelôsBrásprotesto de camelôs

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.