Camelôs entram em confronto com a PM no Brás

A Tropa de Choque da PM foi chamada para conter o tumulto; desde outubro ambulantes são impedidos de vender produtos nas ruas do entorno da Feirinha da Madrugada

Pedro da Rocha, do estadão.com.br,

28 de novembro de 2011 | 01h18

SÃO PAULO - Cerca de 300 camelôs tentaram montar barracas no entorno da Feirinha da Madrugada, no Brás, região central de São Paulo, e entraram em confronto com a Tropa de Choque da Polícia Militar (PM), que usou balas de borracha para dispersar a multidão, no início da madrugada desta segunda-feira, 28. Pela manhã, a situação é de tranquilidade nas ruas, segundo o major da PM Wagner Rodrigues, que comanda a operação com cerca de 400 homens.

 

De acordo com a PM, os camelôs pararam um ônibus e obrigaram os passageiros a descerem. Em seguida atearam fogo no coletivo, atingindo também dois carros, na Rua Barão de Ladário. Uma loja de roupas também foi incendiada, na Rua Maria Marcolina com a Rua Conselheiro Belisário, mas o major disse que o fato foi provocado quando a manifestação não mais acontecia, por vândalos que se aproveitaram da situação. Cinco viaturas do Corpo de Bombeiros extinguiram o fogo.

 

Segundo Rodrigues, os camelôs chegaram a atirar paus e pedras contra os policiais. A PM deteve cinco pessoas, duas suspeitas de atearem fogo no coletivo, duas por soltarem rojões apontados para os policiais e uma por desacato e lesão corporal.

 

Desde o final de outubro deste ano, a PM reforçou o efetivo no Brás para impedir o trabalho dos camelôs nas ruas da região, acarretando conflitos entre as partes e protestos com interdição de algumas vias e intimidação contra comerciantes com permissão para trabalhar.

 

O bolsão criado pela Prefeitura, localizado na Rua Monsenhor de Andrade, não comporta mais barracas e só quem tem vaga neste pátio possui autorização para trabalhar na região.

 

Notícia atualizada às 6h15

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.