Câmara retira nome de general de viaduto

Por 33 votos favoráveis, 4 contrários e 4 abstenções, a Câmara Municipal aprovou ontem, em primeira discussão, projeto do Executivo que muda o nome do Viaduto General Milton Tavares de Souza (1917-1981), na Penha, zona leste de São Paulo, para Viaduto Domingos Franciulli Netto, ministro do Superior Tribunal de Justiça (STJ) morto em 2005.

Diego Zanchetta, O Estado de S.Paulo

16 de junho de 2011 | 00h00

A proposta de 2006, de autoria do ex-prefeito José Serra (PSDB), deve passar por nova votação na próxima semana. Depois o texto segue para sanção do prefeito Gilberto Kassab.

General linha dura do regime militar, "Miltinho", como era conhecido, comandou o Centro de Informações do Exército, perseguiu guerrilheiros no Araguaia e teria conduzido sessões de tortura na "casa da morte" de Petrópolis, no Rio. O pedido de retirada de seu nome do viadutos sobre a Marginal do Tietê foi feito a Kassab por políticos do PCdoB que passaram a integrar o governo a partir de fevereiro. Associações de ex-presos políticos faziam a mesma solicitação à Prefeitura desde 1995.

"Hoje é dia de festa para a democracia", comemorou o vereador Jamil Murad (PCdoB). Os quatro contrários ao projeto foram Agnaldo Timóteo (PR), Toninho Paiva (PR), Quito Formiga (PR) e Átila Russomano (PP). "Essa mudança é pura frescura. Houve excessos no regime como há até hoje", disse Timóteo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.