Alex Silva/Estadão
Alex Silva/Estadão

Câmara Municipal de São Paulo inicia sessão para votar reforma da Previdência

Audiência pública que antecedeu sessão foi marcada por confusão e empurrões

Fabiana Cambricoli, O Estado de S.Paulo

21 de dezembro de 2018 | 21h51

Após confusão e empurrões na audiência pública sobre a reforma da Previdência, a Câmara Municipal de São Paulo iniciou na noite desta sexta-feira, 21, sessão para votar a proposta em primeiro turno.

O texto que será avaliado pelo legislativo, porém, não é o mesmo que vinha sendo discutido desde o início do ano. De última hora, a gestão Bruno Covas (PSDB) enviou um substitutivo com duas alterações principais, o que fez com que a proposta precisasse passar novamente pelas comissões temáticas, o que ocorreu perto das 22 horas. Agora, o projeto está sendo discutido em plenário para, depois, ser votado.

A primeira alteração é a autorização para usar a verba arrecadada com privatizações e concessões para cobrir o déficit previdenciário, o que contraria promessa do ex-prefeito João Doria (PSDB) de que esses recursos seriam destinados apenas para investimentos sociais em áreas como saúde e educação.

A segunda mudança é o recuo na criação de fundos separados para servidores que entrarem na rede após a aprovação da lei e os atuais, medida chamada de segregação das massas. Hoje, o valor de contribuição dos funcionários da ativa ajuda a pagar as aposentadorias e pensões dos servidores inativos. A ideia era criar um sistema de capitalização para que a previdência dos novos servidores fosse autossuficiente.

Os dois pontos mais polêmicos da proposta original foram mantidos: o aumento da alíquota de contribuição dos trabalhadores de 11% para 14% e a criação de um sistema previdenciário complementar, a Sampaprev, para novos servidores com rendimentos acima de R$ 5,6 mil, o que criaria um teto de pagamento para as aposentadorias similar ao que existe no setor privado.

Verba das desestatizações

Durante a discussão, o projeto apresentado teve o artigo sobre o uso da verba de desestatizações suprimido. O líder do governo na Câmara, Fabio Riva (PSDB), defendeu a mudança, de forma a reduzir o rombo da Previdência, que está na casa dos R$ 4 bilhões.  "A Lei de Responsabilidade Fiscal permite", declarou o vereador.

Já o vereador Claudio Fonseca (PPS), contrário à proposta, disse que o substitutivo não resolve o problema do déficit e onera o trabalhador. "Com o aumento da alíquota, a Prefeitura aumentaria a arrecadação em cerca de R$ 350 milhões, nem 10% do déficit anual, e ainda penalizaria o servidor. Imagina uma categoria que nos últimos anos só teve aumento de 0,01% ter que pagar 3% a mais para a Previdência", declarou.

Os aliados do governo querem estender a sessão até de madrugada, se necessário, para aprovar o projeto. A oposição tenta obstruir.

Caso seja aprovada em primeira sessão, a proposta ainda precisará passar por uma segunda votação, que deverá ser agendada para a semana que vem.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.