Divulgação
Divulgação

Câmara faz primeira das 48 audiências da lei de zoneamento em SP

Gilson Barreto, vereador tucano que coordena as discussões, afirma que a cidade não pode ser 'boa' para 'meia dúzia', mas 'para todos'

Rafael Italiani, O Estado de S. Paulo

22 Junho 2015 | 11h21

SÃO PAULO - A Câmara dos Veradores começa a discutir nesta segunda-feira, 22, a lei de zoneamento entregue no início do mês pelo prefeito Fernando Haddad (PT). A proposta do executivo repercutiu principalmente nos bairros de alto padrão, já que o norma que ainda aguarda votação do legislativo permite, pela primeira vez, a instalação de comércios e serviços nas chamadas Zonas Exclusivamente Residenciais (ZERs).

De acordo com o vereador Gilson Barreto (PSDB), presidente da Comissão de Política Urbana, Metropolitana e de Meio Ambiente e que vai coordenar as audiências, serão 48 reuniões antes da proposta de Haddad ser votada. A previsão é de que a primeira votação seja realizada entre o final de outubro e o começo de novembro. 

Após associações de moradores de bairros como os Jardins criticarem o que pode ser o fim das ZERs - opositores a essas regiões exclusivamente residenciais as chamam de "ilhas de tranqulidade -, o vereador afirmou que, apesar das reivindicações ser um "direito desses paulistanos", a cidade de São Paulo "tem que ser boa para todos, e não só para meia dúzia". Além de representantes dos Jardins, outros grupos organizados da sociedade civil devem participar das audiências. 

Mais conteúdo sobre:
São Paulo Zoneamento Fernando Haddad

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.