Câmara aprova lei que obriga uso de pulseira eletrônica em recém-nascido

Proposta do vereador Carlos Apolinário segue agora para análise do prefeito Gilberto Kassab

Priscila Trindade, da Central de Notícias,

11 de agosto de 2010 | 19h43

SÃO PAULO - A Câmara Municipal de São Paulo aprovou nesta quarta-feira, 11, o Projeto de Lei 202/2010, que obriga hospitais e maternidades a colocar uma pulseira de identificação com sensor eletrônico sonoro em recém-nascidos.

 

A proposta do vereador Carlos Apolinário (DEM) segue para análise. O prefeito de São Paulo, Gilberto Kassab (DEM), terá cerca de 15 dias para aprovar ou vetar a medida.

 

Se aprovada, unidades de saúde públicas e privadas do Município de São Paulo terão de instalar em todas as saídas sistemas que acionem o dispositivo sonoro da pulseira.

 

A pulseira, que pode evitar furto e sequestro de crianças, terá de ser colocada no bebê imediatamente após o parto, sendo retirada apenas após a alta da criança, na presença da mãe ou do responsável.

Tudo o que sabemos sobre:
maternidadesaúde

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.