Câmara aprova Dia do Orgulho Hetero em SP; Kassab ainda precisa sancionar

Mesmo com maioria do plenário contra, votação simbólica autorizou criação da data

Diego Zanchetta, O Estado de S.Paulo

02 de agosto de 2011 | 17h53

SÃO PAULO - Os vereadores da Câmara de São Paulo aprovaram nesta terça-feira, 2, em segunda votação, o Dia do Orgulho Hetero. O projeto foi aprovado em votação simbólica e ainda precisa ser aprovado pelo prefeito da cidade, Gilberto Kassab.

 

Dos 39 vereadores em plenário, 20 votaram contra o Dia Hetero, mas como a votação foi simbólica, e não nominal, o projeto foi aprovado. O texto é de Carlos Apolinário (DEM) e teve apoio da bancada evangélica.

 

Caso seja sancionado, a data será realizada no terceiro domingo dos meses de dezembro. O projeto causou polêmica dia antes da Parada Gay e chegou a travar a pauta da Câmara no fim de junho, quando o autor do projeto prometeu barrar as votações caso o texto não entrasse para votação.

 

O vereador Ítalo Cardoso (PT), que é contrário ao projeto e suspendeu a pauta da Câmara nas primeiras vezes que o texto entrou para votação acredita que a data pode piorar os casos de violência contra gays na capital paulista. "Essa dia hetero cria o time dos diferenciados na cidade e acentua os riscos de violência contra os homossexuais", afirma.

 

Tudo o que sabemos sobre:
Dia HeteroCâmaravereadoresSP

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.