André Bueno/Câmara Municipal de São Paulo
André Bueno/Câmara Municipal de São Paulo

Orçamento de Doria fica em R$ 56 bilhões; ônibus terão R$ 2,1 bi

Oposição reclama que investimento previsto, de R$ 5,9 bilhões, não supre todas as áreas; gestão fala em visão ‘realista’

Adriana Ferraz e Luiz Fernando Toledo, O Estado de S. Paulo

19 de dezembro de 2017 | 12h17
Atualizado 19 de dezembro de 2017 | 22h57

SÃO PAULO - A Câmara Municipal ainda aprovou o primeiro orçamento do prefeito João Doria (PSDB), fixado em R$ 56,3 bilhões para 2018. Ele prevê valor de investimento semelhante ao de 2017 - são R$ 5,9 bilhões. Mas só R$ 1,225 bilhão do previsto acabou executado (21% do total).

+++ Vereadores de São Paulo aprovam 13º salário para si mesmos

Ao Estado, o secretário da Fazenda, Caio Megale, afirmou que foram feitos reajustes para tornar o orçamento mais próximo do real. “Ajustamos algumas linhas que previam repasses federais que há muito tempo não vinham, até de programas que já foram cancelados. Eles geravam expectativa muito grande e isso é irrealista.”

+++ Milton Leite é reeleito presidente da Câmara dos Vereadores

Ele se diz otimista sobre a execução. “Temos perspectiva de retomada da economia, operações de crédito e programa de desestatização e parcerias.”

+++ Câmara de SP libera propaganda em uniforme escolar

Mas nem todos os representantes da base aliada de Doria na Câmara votaram a favor da versão final. Gilberto Natalini (PV), por exemplo, votou contra. Ex-secretário municipal do Verde e Meio Ambiente da atual gestão, o parlamentar considerou que os valores para a área estão aquém do necessário.

Subsídio

Representantes da oposição também demonstraram preocupação com a área de transportes. Estão previstos R$ 2,1 bilhões de subsídio para o sistema de ônibus. No entanto, neste ano, o Executivo pagou quase R$ 3 bilhões, mantendo a tarifa a R$ 3,80. Um eventual reajuste de tarifa para 2018 ainda está em estudo. 

A base de apoio do prefeito Doria acredita que a concessão dos 14 milhões de bilhetes únicos em circulação, as parcerias para terminais de ônibus - duas medidas já aprovadas pela Câmara - e ajustes na fiscalização dos 15 mil veículos, que só no mês de novembro transportaram mais de 247 milhões de passageiros, deixarão o sistema mais eficiente e, consequentemente, mais barato. “Remanejamos cerca de R$ 200 milhões da área do transporte para áreas mais sociais. Acreditamos que, havendo a licitação, vai se criar mais concorrência e, com isso, reduzir os custos”, disse o vereador e relator do projeto de lei, Ricardo Nunes (PMDB).

Outra mudança foi um aumento de R$ 238 milhões no orçamento das prefeituras regionais, na comparação com o projeto que havia sido enviado por Doria à Câmara. Nunes afirmou que o valor varia de acordo com a necessidade da regional, com foco na periferia. “Em Pinheiros, por exemplo, nós aumentamos 5% do original. Em Parelheiros, 54%.”

 

Desestatização

Houve críticas ainda em relação ao Plano Municipal de Desestatização (PMD), que inclui, por exemplo, a privatização do Autódromo de Interlagos e o Complexo do Anhembi. Segundo os parlamentares da bancada contrária ao governo, a Prefeitura havia afirmado que o PMD, principal bandeira da atual gestão, garantiria R$ 7 bilhões de receita. No entanto, Jair Tatto (PT), presidente da Comissão de Finanças e Orçamento, diz que no texto final aparece só R$ 1 bilhão.

Já o líder do governo na Casa, vereador Aurélio Nomura (PSDB), destacou que a receita prevista para o ano que vem é a mais real já calculada por uma Prefeitura. “Nos últimos quatro anos, acompanhamos algo irreal e inchado com eventuais verbas do governo federal. Isso dava impressão que teríamos um investimento massivo.”

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.