Calçada em mau estado

RESPONSABILIDADE DA PREFEITURA

O Estado de S.Paulo

04 Setembro 2012 | 03h02

A Prefeitura vem apregoando nos últimos meses a necessidade de serem mantidas em bom estado as calçadas e os passeios da nossa cidade, usando até da prática de multas para corrigir o mau hábito do displicente cidadão paulistano. Infelizmente, não é essa a atitude da própria Prefeitura quando se trata de passeios ou calçadas de sua responsabilidade. Fiz fotos da calçada lindeira do Cemitério da Consolação, no trecho da Rua Sergipe e, pelas imagens, pode-se ver o quão hipócrita e desavergonhada é a atitude da Prefeitura, que prega uma postura para o munícipe e, quando toca a ela a responsabilidade, faz de forma totalmente diversa. São flagrantes o desrespeito e o deboche nas ações da Prefeitura, tanto que enviei mensagem ao subprefeito da Sé, Nevoral Bucheroni, lamentando o péssimo estado da calçada na citada rua.

LUIZ CARLOS HUMMEL MANZIONE / SÃO PAULO

A Subprefeitura Sé informa que as calçadas da Rua Sergipe, em frente ao Cemitério da Consolação, encontram-se em bom estado de conservação e atendem à legislação que rege o assunto. Quanto aos canteiros, serão requadrados e cobertos com forração nos próximos dias.

O leitor discorda: As minhas fotos mostram aos hipócritas da Prefeitura de que lado está a razão. A valeta em todo o comprimento da calçada tem cerca de 10 centímetros de profundidade e, recentemente, presenciei um idoso que saía do cemitério torcer o pé na tal valeta e se esborrachar no chão no meio da pista. Essa valeta, que em priscas eras foi um canteiro, está em estado lastimável há mais de dois anos.

BOATE NO MORUMBI

Barulho na madrugada

Em abril fiz uma reclamação à Coluna sobre o Club Lotus (Rua Engenheiro Mesquita Sampaio 807, Morumbi) e, à época, a Prefeitura informou que o imóvel estava irregular e a casa não podia funcionar. Quase cinco meses depois, a boate está funcionando normalmente e os problemas continuam: carros com música alta, pessoas fechando a rua, buzinaços de madrugada, bagunça, gritaria e rachas. Agora temos o adicional de sentir o prédio vibrar por causa da música alta do local, que, pelo jeito, não tem estrutura para abrigar esse tipo de estabelecimento.

FERNANDA DUSILEK / SÃO PAULO

A Subprefeitura Santo Amaro informa que, anteriormente, foi realizado o fechamento administrativo do local e que, com outra denúncia da leitora, foi constatada nova atividade no local. Diante disso, uma ação fiscal foi iniciada.

A leitora questiona: Desde a primeira reclamação, o estabelecimento nunca parou de funcionar. A subprefeitura pode até se atualizar sobre os eventos promovidos pela Lotus no Facebook! Por que tanta demora para uma fiscalização?

BANCO DO BRASIL

Conversão errada de valores

Desde maio estou com dois problemas no Banco do Brasil (BB). Contestei as possíveis diferenças na conversão do dólar para o real em minha fatura de cartão de crédito. Pelas cotações fornecidas, houve diferenças em todos os meses, todas desfavoráveis a mim. Só desejo os estornos! O segundo problema é referente a pontos de um programa de relacionamento, que não foram devidamente creditados. Lamentavelmente, a Central de Atendimento do BB não esclarece essas dúvidas.

MARIA SUELI DA SILVA SANTOS

/ SOROCABA

O Banco do Brasil informa que resolveu o caso da leitora. Diz que a agência de relacionamento entrou em contato com a cliente e explicou todas as regras de migração dos pontos de relacionamento para os pontos do programa.

A leitora lamenta: O BB alegou que a Central de Atendimento havia fornecido cotações incorretas e fez o estorno. Sobre os pontos, tive de brigar para conseguir um retorno, que recebi após 3 meses, mas só porque a Coluna interveio!

CET

Marronzinhos escondidos

Em 29/8 um agente da CET na esquina da Rua Itapeva com a Avenida Paulista multava compulsivamente motoristas que se atreviam a acessar a Rua Itapeva. Ocorre que, com o fluxo contínuo de pedestres que atravessam ali, o carro para e aguarda; mas do lado dos pedestres o bom senso também não é unanimidade. Muitos simplesmente continuam a atravessar e quando o motorista aproveita uma brecha, lá vêm mais pedestres para justificar a ação do heroico agente. A CET podia aproveitar o talento de seus ágeis punidores para orientar e educar, essa sim seria uma solução perene.

WALLACE ANDRADE / MAIRIPORÃ

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.